Mercado fechará em 4 h 19 min
  • BOVESPA

    101.511,32
    +326,23 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.453,31
    +244,21 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,71
    +0,51 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.968,50
    -5,00 (-0,25%)
     
  • Bitcoin USD

    28.452,07
    +1.394,67 (+5,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    619,85
    +18,88 (+3,14%)
     
  • S&P500

    4.010,56
    +39,29 (+0,99%)
     
  • DOW JONES

    32.593,19
    +198,94 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.557,13
    +72,88 (+0,97%)
     
  • HANG SENG

    20.192,40
    +407,75 (+2,06%)
     
  • NIKKEI

    27.883,78
    +365,53 (+1,33%)
     
  • NASDAQ

    12.900,00
    +167,50 (+1,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5627
    -0,0379 (-0,68%)
     

Suzano diz que MST invadiu 3 fazendas de eucalipto na Bahia

SÃO PAULO (Reuters) - Membros do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) adentraram três fazendas de eucalipto da Suzano na madrugada da última segunda-feira na Bahia e seguem ocupando os locais, segundo informações da entidade e da fabricante brasileira de celulose.

As terras da Suzano que foram alvo da ação estão localizadas nos municípios de Teixeira de Freitas, Mucuri e Caravelas, região sul do Estado. Além disso, o movimento entrou ainda uma quarta propriedade, essa abandonada há 15 anos e de posse de outro proprietário, segundo o MST.

A Suzano afirmou em nota que as suas áreas "foram invadidas e danificadas ilegalmente" em atos que "violam o direito à propriedade privada e estão sujeitos à adoção de medidas judiciais para reintegrar a posse".

Já o MST disse que as cerca de 1.700 famílias que participam da ação "reivindicam a desapropriação imediata dos latifúndios para fins de reforma agrária, tendo em vista que estas propriedades atualmente não estão cumprindo sua função social", sem dar mais detalhes sobre as três propriedades.

O MST ainda afirmou que a ação é uma denúncia contra a monocultura de eucalipto na região e o êxodo rural causado pela prática, entre outros pontos.

A Suzano disse não ter estimativas sobre eventuais prejuízos causados pelas ações.

Em sua nota, datada de segunda-feira, o MST disse ainda que a "demora" do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em nomear a presidência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) acendeu um "alerta amarelo".

"Apesar das expectativas com o governo Lula em relação à reforma agrária, os sem terra estão preocupados, frente a urgência do combate à fome, o desemprego e a destruição do meio ambiente, causados pelo desastroso modelo do capital".

(Por André Romani; Reportagem adicional de Alberto Alerigi Jr.)