Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.123,85
    -3.459,16 (-3,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.925,52
    -673,01 (-1,30%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,43
    -0,86 (-1,14%)
     
  • OURO

    1.736,50
    -1,00 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    41.646,16
    -946,29 (-2,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.028,17
    -28,97 (-2,74%)
     
  • S&P500

    4.352,63
    -90,48 (-2,04%)
     
  • DOW JONES

    34.299,99
    -569,38 (-1,63%)
     
  • FTSE

    7.028,10
    -35,30 (-0,50%)
     
  • HANG SENG

    24.233,36
    -267,03 (-1,09%)
     
  • NIKKEI

    29.458,84
    -725,12 (-2,40%)
     
  • NASDAQ

    14.815,00
    +50,25 (+0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3432
    +0,0006 (+0,01%)
     

Suspeito de vender carros elétricos pelas redes sociais e não entregar é detido

·2 minuto de leitura

A Polícia Federal (PF) prendeu na última segunda-feira (16) um homem acusado de vender carros elétricos infantis que nunca eram entregues. A ação, que movimentou aproximadamente R$ 300 mil, era feita no Instagram por meio do perfil @carrosimports — que permanece ativo —, no qual o suspeito exibia supostas entregas de produtos feitas no passado como forma de conquistar a confiança das vítimas.

Segundo o Ministério Público do Paraná (MP-PR), o suspeito vendia motocicletas e carrinhos elétricos para o público infantil com preços considerados abaixo daqueles praticados pelo mercado. Enquanto produtos do tipo geralmente custam entre R$ 5 mil e R$ 7 mil, o golpista prometia entregá-los por R$ 3,5 mil — preço que atraiu aproximadamente 90 vítimas.

Atraídos pelos preços baixos, os compradores interessados pagavam antecipadamente pelo produto para garantir uma unidade, mas a entrega nunca era feita. Segundo o promotor de Justiça André Luiz informou ao G1, o suspeito alimentava as ações através das redes sociais, nas quais possuía aproximadamente 20 mil seguidores.

Imagem: Divulgação/@carrosimports
Imagem: Divulgação/@carrosimports

Segundo o promotor, o suspeito oferecia produtos com valor abaixo do mercado e fazia publicações sobre supostas entregas. “Criando, a partir disso, um cenário de confiabilidade, de que aquela atividade era séria e lícita”, explicou. As principais vítimas do golpe se localizavam nos estados Minas Gerais e São Paulo, sendo que o público pertencente à classe A era o principal alvo do golpe.

Pagamentos eram feitos somente à vista

O suspeito de 26 anos foi preso em casa e está respondendo pelo crime de estelionato. Apesar de continuar alimentando suas redes sociais, o golpista sumia e deixava de responder tentativas de contatos após receber os pagamentos. Em suas páginas, ele afirmava que os preços abaixo do mercado eram possíveis graças ao trabalho exclusivo com pagamentos à vista, que eram feitos através de PIX, transferência bancária, boleto ou depósito — toda a negociação era feita através do WhatsApp e de mensagens diretas no Instagram.

A prisão se deu graças à um mandado de prisão preventiva expedido pela Justiça Estadual do Fórum de Matelândia (Paraná), e o suspeito foi encaminhado para a Delegacia da Polícia Federal de Foz do Iguaçu. A PF não divulgou detalhes da investigação, mas reclamações publicadas pelos clientes, e até mesmo um perfil nas redes dedicado a denunciar o golpe, parece ter contribuído para a resolução do caso.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos