Mercado fechado
  • BOVESPA

    118.811,74
    +1.141,84 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.352,18
    -275,49 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,77
    +0,07 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.732,80
    +0,10 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    60.034,56
    +293,63 (+0,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.288,55
    -6,03 (-0,47%)
     
  • S&P500

    4.127,99
    -0,81 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    33.745,40
    -55,20 (-0,16%)
     
  • FTSE

    6.889,12
    -26,63 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.453,28
    -245,52 (-0,86%)
     
  • NIKKEI

    29.538,73
    -229,33 (-0,77%)
     
  • NASDAQ

    13.818,00
    +9,25 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8297
    +0,0655 (+0,97%)
     

Suspeito por plantação em escala industrial de skunk recebe liberdade provisória

Extra
·2 minuto de leitura

Um homem que foi preso por uma plantação em escala industrial de skunk num galpão em Bonsucesso, na Zona Norte do Rio, no último dia 11, teve pedido por liberdade provisória condedido pelo Tribunal de Justiça, conforme decisão proferida na quinta-feira, 25. O entorpecente é uma derivação da maconha com maior poder alucinógeno.

De acordo com o advogado Breno Hoyos Guimarães, que representa o suspeito Marcos Graell Pereira, a partir de agora seu cliente vai responder ao processo em liberdade.

"Foi feito o requerimento de liberdade provisória, onde o Ministério Público e o magistrado se sentiram convencidos de que o Marcos não oferece qualquer perigo à ordem pública", afirmou. "Vamos fazer toda a defesa técnica para demonstrar que o que está relatado pela Polícia Civil não condiz com a realidade".

Na decisão judicial, o juiz Rubens Roberto Rabello Casara, justificou que "inexistem dados concretos a indicar a necessidade da custódia cautelar do denunciado".

"Dito de outra forma, a liberdade, desde que limitada por medidas cautelares típicas diversas da prisão, não é capaz de produzir danos à ordem pública/econômica, à instrução criminal ou mesmo à futura aplicação da lei penal", escreveu. "Desta forma, reconheço o direito do denunciado à liberdade provisória, mediante o cumprimento da seguinte medida cautelar: comparecimento mensal ao cartório de forma remota, através do número de telefone institucional. Na impossibilidade de contato via WhatsApp, o comparecimento presencial será bimestral, até o dia 10, para justificar suas atividades".

A ação que resultou na captura do suspeito foi realizada por agentes da Delegacia Especializada em Armas, Munição e Explosivos (Desarme). Segundo os policiais, no galpão havia vários ambientes tipo estufa, com ar climatizado, controladores de umidade, filtro de ar, fertilizantes e maquinários, tudo automatizado, para produção e conservação da plantação.

Durante a ação também foram apreendidos 67 pés de maconha, garrafas de fertilizantes, cilindro de gás carbônico, bomba de vácuo e três quilos da droga em fase de secagem.

Os agentes estiveram também na casa do suspeito, em Vargem Pequena, na Zona Oeste da capital. Lá foram encontrados dois quilos de skunk já embalados para venda.