Mercado fechará em 6 h 25 min

Suspeito de ataque a agências bancárias no interior de SP é preso

RENATO FONTES
·2 minutos de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Policiais do Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais) prenderam na tarde desta sexta-feira (11), no bairro Lauzane Paulista, na zona norte de São Paulo, um homem suspeito de integrar uma quadrilha que atacou agências bancárias em Ourinhos (373 km de SP) e Botucatu (238 km de SP), em maio e julho deste ano, respectivamente. Segundo nota da Polícia Civil, o suspeito é Tiago Tadeu Faria, conhecido como "Gianecchini". A reportagem não localizou a defesa do suspeito. Questionada, a Secretaria da Segurança Pública, gestão João Doria (PSDB), não informou se o homem preso tem defesa constituída e nem o teor do seu depoimento. De acordo com a polícia, Faria é o ex-integrante da escola de Samba Império de Casa Verde, que invadiu a apuração e rasgou as notas dos jurados no Carnaval de 2012. Ele também é suspeito de participar de explosões a bancos no Rio Grande do Norte em 2017, e em Iacanga (378 km de SP), em 2016, também segundo a SSP. Conforme a polícia, Faria havia sido identificado durante investigações feitas pela DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Botucatu e pela 5ª Delegacia de Polícia de Investigações sobre Furtos e Roubos a Bancos, do Deic. Os agentes do Deic descobriram informações sobre os deslocamentos do suspeito e conseguiram interceptá-lo na avenida do Guacá. Ele foi preso por meio de mandado de prisão temporária expedido pela Justiça. Em junho, 200 quilos de explosivos que supostamente pertenciam ao grupo, segundo a polícia, foram apreendidos em Itaquaquecetuba (Grande SP). O material possivelmente seria utilizado em futuros ataques, disse em nota a polícia. Até o momento, nove pessoas foram presas por envolvimento no roubo em Botucatu. Um outro suspeito do ataque de 30 de julho em Botucatu foi preso em 5 de agosto por investigadores do Deic, na zona leste da capital paulista. Em 2 de agosto, policiais prenderam em flagrante quatro mulheres e um homem, suspeitos de prestarem apoio médico aos autores do roubo. O grupo de assaltantes armados com fuzis e metralhadoras que enfrentou por mais de duas horas as forças de segurança de São Paulo em Botucatu entre a noite do último dia 29 e madrugada do dia 30 conseguiu fugir com cerca de R$ 2 milhões de uma agência bancária. A quadrilha tinha de 20 a 30 integrantes.