Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    62.080,05
    -782,92 (-1,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Suspeito de assassinato nos EUA 'cozinhou' o coração da vítima, segundo imprensa

·1 minuto de leitura
Suspeito de assassinato nos EUA 'cozinhou' o coração da vítima e serviu para a família

Um homem acusado de um triplo homicídio no estado americano de Oklahoma retirou o coração de uma vítima de seu corpo e o cozinhou com batatas para servir a outras vítimas antes de atacá-las, reportou a imprensa americana nesta quarta-feira (24).

O suspeito, Lawrence Paul Anderson, supostamente removeu o órgão do corpo de um vizinho que ele esfaqueou até a morte, de acordo com o Oklahoma City News 4 TV e o jornal Oklahoman.

Ele teria levado o coração para a casa de seu tio, onde o cozinhou e tentou servi-lo ao tio e sua esposa, reportaram os investigadores reportaram ao Tribunal do Condado de Grady em Chickasha na terça-feira.

Anderson, então, supostamente matou o tio e sua neta de quatro anos em casa e feriu gravemente a esposa deste em um ataque em 9 de fevereiro.

"Ele cozinhou o coração com batatas para alimentar sua família e libertar os demônios", escreveu um agente em um mandado de busca e apreensão apresentado no tribunal.

O crime aconteceu semanas depois de Anderson, que tem um longo histórico de detenções, ser libertado da prisão em uma comutação geral dada pelo governador de Oklahoma, Kevin Stitt.

Ele foi condenado a 20 anos de prisão em 2017 por tráfico de drogas.

Ele confessou os assassinatos no tribunal na terça-feira, de acordo com os relatórios.

pmh/jm/ap/mvv