Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,30 (+0,57%)
     
  • OURO

    1.872,00
    +31,80 (+1,73%)
     
  • BTC-USD

    35.021,40
    +621,43 (+1,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    694,49
    -6,12 (-0,87%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    29.962,47
    +320,19 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.523,26
    -110,20 (-0,38%)
     
  • NASDAQ

    13.290,50
    +305,00 (+2,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4069
    -0,0917 (-1,41%)
     

Suspeita de ‘rachadinha’ em gabinete de Marília Arraes (PT) agita reta final da campanha no Recife

Bruno Góes
·2 minuto de leitura

A reta final da disputa entre os primos João Campos (PSB) e Marília Arraes (PT) tem como novo ingrediente a suspeita da prática de “rachadinha” no gabinete da petista quando ela ainda era vereadora. Marília, hoje deputada federal, exerceu mandato na câmara municipal entre 2009 e 2019. O Ministério Público de Pernambuco fez uma investigação para apurar denúncia de que funcionários de Marília devolveriam 60% do salário. O caso, revelado pela revista Veja, foi arquivado por falta de provas na esfera penal, onde a acusação era de peculato (desvio de dinheiro público), mas há ainda uma ação de improbidade administrativa.

De acordo com ofício do Ministério Público ao qual O Globo teve acesso, que embasa a ação cível, restou “apurado o enriquecimento ilícito” de quatro servidoras comissionadas, que seriam funcionárias fantasmas. Segundo o MP, elas “trabalhavam em outros órgãos e empresas enquanto recebiam remuneração da Câmara Municipal do Recife, sem a devida contraprestação laboral”. Pede-se que Marília e a servidora devolvam R$ 156 mil aos cofres públicos.

Leia também

O caso ganhou nova dimensão anteontem, quando o site da “Veja” revelou um áudio no qual o deputado Túlio Gadêlha (PDT-PE) diz que Marília lhe incentivou a montar caixa de campanha com salário de assessores. Na gravação, o deputado afirma que a petista lhe teria dito para juntar R$ 30 mil da assessoria. Gadêlha hoje apoia Marília. Ele diz que o áudio está “descontextualizado” e que recorrerá à Justiça para requerer reparação.

O processo foi alvo de discussão entre os candidatos em debate realizado nesta terça-feira pela TV Jornal, do Recife. João Campos disse que Marília deveria explicar qual era sua participação no suposto esquema. Ao introduzir o assunto, ele disse que escolhe sua equipe de assessores na Câmara dos Deputados com uma "seleção pública".

– A candidata Marília não pode dizer o mesmo (sobre a seleção de funcionários). Ela é acusada pelo MP de ter funcionários fantasmas no seu gabinete, e o Recife precisa saber sobre isso – disparou João Campos.

Marília, então, se refere ao arquivamento da acusação por peculato para dizer que tratava-se de um fato velho.

– Esse fato está sendo requentado junto com diversas fake news – declarou.

Ao Globo, a campanha da petista reiterou que não há fundamento nas acusações. "Marília já aguardava esse tipo de movimento político de véspera de eleição. Mas ela continuará a conduzir a sua campanha de forma elevada, animada e motivada, buscando conquistar o coração e a consciência dos recifenses com amor e não com ódio".