Mercado abrirá em 8 h 11 min
  • BOVESPA

    106.247,15
    -2.542,18 (-2,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.394,03
    -1.070,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,50
    +0,91 (+0,83%)
     
  • OURO

    1.814,40
    -1,50 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    29.119,54
    -722,20 (-2,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    648,86
    -21,82 (-3,25%)
     
  • S&P500

    3.923,68
    -165,17 (-4,04%)
     
  • DOW JONES

    31.490,07
    -1.164,52 (-3,57%)
     
  • FTSE

    7.438,09
    -80,26 (-1,07%)
     
  • HANG SENG

    20.179,30
    -464,98 (-2,25%)
     
  • NIKKEI

    26.429,20
    -482,00 (-1,79%)
     
  • NASDAQ

    11.919,75
    -15,75 (-0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2364
    +0,0181 (+0,35%)
     

Surto de gripe aviária se agrava e mata 37 mi de aves nos EUA

(Bloomberg) -- Um vírus da gripe aviária nos EUA está rapidamente se tornando o pior já registrado após provocar a morte de 37 milhões de galinhas e perus. Mais mortes são esperadas até o próximo mês à medida que os agricultores realizam abates em massa em todo o Centro-Oeste.

Sob estimativa do governo federal, as fazendas devem destruir rebanhos comerciais inteiros se apenas uma ave testar positivo para o vírus, para impedir a propagação. Isso está levando a cenas angustiantes em toda a área rural do país. Em Iowa, milhões de animais em grandes celeiros são sufocados em altas temperaturas ou com espuma venenosa. Em Wisconsin, caminhões basculantes levaram dias para coletar massas de carcaças de pássaros e empilhá-las em campos não utilizados. Os vizinhos convivem com o mau cheiro das aves em decomposição.

A crise está prejudicando mais as galinhas poedeiras e os perus, com a doença sendo amplamente propagada por aves selvagens migratórias que enxameiam acima das fazendas e deixam excrementos que são rastreados para os aviários. Provavelmente foi assim que o vírus contaminou as operações de ovos em Iowa, que produzem ovos líquidos e em pó que vão para omeletes de restaurantes ou misturas embaladas para bolos. Mais ao norte, sob as mesmas rotas de migração, ficam as fazendas de perus de Minnesota.

Os preços desses produtos estão atingindo recordes e pressionando a inflação. Os déficits de oferta desencadeados pela gripe ocorrem no momento em que os preços mundiais dos alimentos atingem novas máximas. Da guerra na Ucrânia ao clima adverso para as colheitas, tudo está causando turbulência nas cadeias de suprimentos e agravando a crise que levou milhões de pessoas à fome desde o início da pandemia.

“Quando você pensava que não poderia ficar pior, aí vem a gripe aviária”, disse Karyn Rispoli, repórter do mercado de ovos da empresa pesquisadora de commodities Urner Barry.

Desligamento da ventilação

A última vez que a gripe aviária atingiu os EUA em 2015, matou cerca de 50 milhões de animais até o final da temporada e custou ao governo federal mais de US$ 1 bilhão de dólares, com abate e o enterro de pássaros. Na época, a indústria reforçou sua biossegurança em torno dos aviários, instalando canhões sonoros para repelir pássaros selvagens, ou até lavagens de carros para que os caminhões das fazendas não levassem contaminação de uma fazenda para outra.

Desta vez, mesmo com essa melhor biossegurança, a indústria não conseguiu impedir a transmissão de aves selvagens, disse Michelle Kromm, consultora executiva da Minnesota Turkey Growers Association. Como precaução, os agricultores devem passar por um processo trabalhoso de trocar completamente suas roupas e sapatos antes de entrar nos celeiros e garantir que todos os suprimentos e ferramentas estejam limpos.

No entanto, os padrões climáticos e de migração estão facilitando a vitória do vírus este ano. As raras tempestades de neve da primavera estão se originando no Centro-Oeste e viajando pela Costa Leste, e o clima frio e úmido mantém o vírus vivo por mais tempo, ajudando-o a se espalhar. A gripe este ano também é mais letal do que no passado. As mortes até agora nesta temporada estão acima dos surtos anteriores em 37 milhões de frangos e perus. O rebanho de galinhas poedeiras dos EUA totaliza mais de 300 milhões de pássaros (frangos criados para carne, conhecidos como frangos de corte, não foram tão afetados).

“Todos nós precisamos manter uma consciência muito alta de que o ambiente está contaminado”, disse Beth Thompson, veterinária do Conselho de Saúde Animal de Minnesota. O clima “precisa aquecer e secar para matar esse vírus que está lá fora”.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos