Mercado abrirá em 3 h 36 min
  • BOVESPA

    128.427,98
    -339,48 (-0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.170,78
    +40,90 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,29
    +0,21 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.780,80
    -2,60 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    33.267,25
    -774,28 (-2,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    805,68
    -4,51 (-0,56%)
     
  • S&P500

    4.241,84
    -4,60 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    33.874,24
    -71,34 (-0,21%)
     
  • FTSE

    7.087,86
    +13,80 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    28.882,46
    +65,39 (+0,23%)
     
  • NIKKEI

    28.875,23
    +0,34 (+0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.356,50
    +93,50 (+0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9329
    +0,0044 (+0,07%)
     

Surpresa! Chuva de meteoros inédita cairá na Terra, mas não será fácil observar

·3 minuto de leitura

Uma chuva de meteoros inédita vai cair na Terra no segundo semestre, provavelmente a partir do final de setembro, com pico no dia 7 de outubro. Ela será produzida pelos detritos do cometa 15P/Finlay e não se repetirá tão cedo — ou talvez nunca mais aconteça. Além disso, será bem difícil de observar essas "estrelas cadentes", embora os habitantes do extremo sul da América possam ter a sorte de ver alguns meteoros.

Um dos motivos de ser uma chuva tão difícil de observar é que os detritos do cometa Finlay são realmente pequenos, mais semelhantes a partículas de poeira. É o suficiente para deixarem rastros na atmosfera terrestre, mas eles serão fracos — ou seja, será preciso usar instrumentos específicos para observar o fenômeno. Isso não significa que seja um evento de pouca importância; ao contrário, será uma boa oportunidade de saber mais sobre chuvas “surpresa” de meteoros.

Pesquisadores da NASA calculam que a chuva terá como radiante a constelação Ara (o Altar), mas não sabem ao certo qual estrela ou ponto. O radiante é o ponto de onde os meteoros de uma chuva parecem se originar, algo sempre útil para ajudar a olhar na direção certa durante as observações. As partículas serão lentas, o que também dificultará muito o trabalho de detectá-las quando estiverem entrando em nossa atmosfera.

O Cometa Finlay tem aproximadamente 2 km de largura e sua nuvem de detritos ainda é um certo mistério para os astrônomos. É que pode haver uma “bolha” oculta de poeira deixado por ele a cada vez que se aproximou do Sol, e um dia a Terra pode atravessar essa bolha. Quando isso vai acontecer e qual será o resultado disso em termos de manifestações visíveis no céu, ainda é bastante incerto. Mas certamente não oferecerá nenhum risco, pois a poeira será desintegrada por causa do atrito atmosférico.

O arquipélago da Terra do Fogo, no extremo sul da América do Sul, é provavelmente o melhor local para observar a chuva de meteoros Finlay (Crédito da imagem: Reprodução/MODIS Land Rapid Response Team/NASA GSFC)
O arquipélago da Terra do Fogo, no extremo sul da América do Sul, é provavelmente o melhor local para observar a chuva de meteoros Finlay (Crédito da imagem: Reprodução/MODIS Land Rapid Response Team/NASA GSFC)

Toda chuva de meteoros é nada mais do que o momento em que nosso planeta passa por uma dessas nuvens de detritos, e isso acontece precisamente nas mesmas datas, todos os anos. O motivo de nunca termos visto a chuva Finlay é que seu rastro seguia a órbita do cometa através do Sistema Solar sem cruzar com a órbita do nosso planeta. Contudo, com o tempo, as partículas de poeira começam a desacelerar e o formato da órbita da nuvem se contrai, passando de uma órbita oval para um caminho mais circular.

Essa desaceleração ocorre por uma série de influências, como a gravidade dos planetas e do Sol e a radiação solar. Como são partículas bem pequenas, ficam mais suscetíveis a esses efeitos e elas acabam se deslocando para o caminho orbital da Terra. Ao menos talvez tenha sido isso o que aconteceu com os detritos do Finlay, de acordo com Diego Janches pesquisador astrofísico do Goddard Space Flight Center da NASA.

Os meteoritos devem entrar na atmosfera a uma velocidade de 11 km/s, o que é bem pouco se comparado à velocidade das chuvas de meteoros “tradicionais”. A observação exigirá instrumentos mais sensíveis do que as lentes de câmeras e radares, já que as câmeras ópticas e o olho humano não serão capazes de ver a luz emitida pelas partículas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos