Mercado fechará em 5 h 53 min
  • BOVESPA

    127.710,59
    -346,62 (-0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.956,63
    -246,17 (-0,49%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,55
    +0,51 (+0,72%)
     
  • OURO

    1.775,40
    +0,60 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    37.171,17
    -1.346,85 (-3,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    918,39
    -21,56 (-2,29%)
     
  • S&P500

    4.184,71
    -37,15 (-0,88%)
     
  • DOW JONES

    33.388,48
    -434,97 (-1,29%)
     
  • FTSE

    7.034,11
    -119,32 (-1,67%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.103,00
    -62,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9778
    +0,0153 (+0,26%)
     

Supremo dá aval à lei do Rio de Janeiro que proíbe testes de cosméticos em animais

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O STF (Supremo Tribunal Federal) validou nesta quinta-feira (27) a lei do Rio de Janeiro que proíbe testes de cosméticos e produtos de higiene pessoal e de limpeza em animais.

Nesse ponto, o placar foi de 10 a 1. Apenas o ministro Kassio Nunes Marques defendeu a inconstitucionalidade da norma.

A corte, porém, anulou o trecho da legislação que vedava a comercialização de produtos derivados das testagens em bichos. Também invalidou a exigência de que fosse informado no rótulo que o desenvolvimento daquele produto não envolveu animais.

A decisão foi tomada em uma ação de constitucionalidade e trata apenas da lei do Rio. O julgamento, porém, firma uma jurisprudência sobre o tema, e a tendência é que o Supremo dê a mesma solução para outras legislações desta natureza.

O STF analisou o caso da lei que regulamenta testes em animais no estado fluminense. Nada impede a população, no entanto, de comprar produtos de fora do estado que tenham sido testados em animais.

Os ministros analisaram o tema em ação apresentada pela Associação Brasileira de Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos. A entidade argumentou ao Supremo que a norma fluminense seria uma violação à lei federal que autoriza pesquisas com animais para fins científicos.

Prevaleceu o voto do relator, ministro Gilmar Mendes, de que não houve invasão por parte do estado da competência federal para legislar sobre o tema.

O magistrado afirmou que o STF tem reconhecido a possibilidade de os entes da federação "ampliarem proteções dadas por norma federal, especialmente, quando voltadas ao direito à vida e à proteção do meio ambiente".

Barroso seguiu a mesma linha e disse que a competência para legislar sobre a proteção animal é concorrente, ou seja, não há exclusividade de qualquer esfera administrativa para tratar do tema.

"Por muito tempo se entendeu que a proteção animal teria um caráter instrumental: eram protegidos em função do benefício que podem trazer ao meio ambiente. No decorrer do tempo, foi reconhecido progressivamente o valor intrínseco dos animais, independentemente de sua instrumentalidade para a proteção do meio ambiente", disse.

Os ministros Gilmar Mendes, Alexandre de Moraes, Dias Toffoli, Luís Roberto Barroso e Ricardo Lewandowski votaram para manter a proibição de testes, mas pela derrubada do trecho que tratava da comercialização.

O voto de Kassio foi incorporado a esta corrente, formando maioria para manter uma parte da lei e derrubar outra.

Os ministros Edson Fachin, Rosa Weber, Cármen Lúcia, Marco Aurélio e Luiz Fux defenderam a constitucionalidade de toda a legislação.

Kassio afirmou que, embora seja possível aos estados editar normas mais protetivas ao meio ambiente que as da União e de outros entes federados, nesse caso não há qualquer peculiaridade regional que a justifique.

Sobre a comercialização e a rotulagem, o ministro disse que deveria ser declarada a competência legislativa é exclusiva da União.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos