Mercado fechará em 2 h 14 min
  • BOVESPA

    109.824,92
    -315,72 (-0,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.113,14
    +238,23 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,08
    -0,80 (-1,05%)
     
  • OURO

    1.879,10
    -51,70 (-2,68%)
     
  • BTC-USD

    23.625,38
    -193,94 (-0,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    540,56
    +3,70 (+0,69%)
     
  • S&P500

    4.173,45
    -6,31 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.112,90
    +58,96 (+0,17%)
     
  • FTSE

    7.900,42
    +80,26 (+1,03%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.867,25
    +20,50 (+0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5593
    +0,0696 (+1,27%)
     

Suprema Corte dos EUA valida ação da Meta contra criadores do Pegasus

A Suprema Corte dos Estados Unidos validou o processo que a Meta, matriz do Facebook, abriu contra a empresa israelense NSO, à qual acusa de ter usado os servidores do WhatsApp para implementar seu programa espião Pegasus.

A NSO havia solicitado que o mais alto tribunal americano anulasse a ação, apresentada em outubro de 2019 em Oakland, sob o argumento de que operava para governos estrangeiros e deveria, portanto, se beneficiar de imunidade judicial.

Mas a Suprema Corte, em anúncio datado de sexta-feira, mas publicado nesta segunda, se recusou a examinar o caso, indeferindo o pedido da NSO.

Segundo a Meta, a NSO teria infiltrado os servidores de seu aplicativo de mensagens para instalar o Pegasus nos smartphones de 1.400 pessoas sem seu consentimento.

Um artigo do The New York Times revelou meses mais tarde que a NSO trabalhou para vários Estados europeus que vigiavam um suspeito de preparar um ataque para o grupo Estado Islâmico.

“Estamos firmemente convencidos” de que a empresa israelense “viola a lei americana e deve ser responsabilizada por suas ações ilegais”, declarou a Meta em um comunicado enviado à AFP.

“Estamos convencidos de que a justiça considerará que o uso da Pegasus por seus clientes era legal”, afirmou, por sua vez, um porta-voz da NSO, já acusada de permitir que governos vigiassem ativistas, jornalistas e opositores.

tu/pta/dl/ll/ic/mvv