Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    50.828,55
    +2.956,86 (+6,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Suprema Corte dos EUA encerra processos judiciais contra Trump

·1 minuto de leitura
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, fala antes de embarcar no Air Force One, em 20 de janeiro

A Suprema Corte dos Estados Unidos ordenou, nesta segunda-feira (25), fechar os processos judiciais contra o ex-presidente Donald Trump, abertos em nome de uma cláusula da Constituição que proíbe um presidente de aceitar renda de fontes estrangeiras.

Os dois processos, sobre o hotel que Trump possui em Washington, estão "obsoletos", disse o máximo tribunal, destacando a saída do magnata da Casa Branca.

Pouco depois da eleição do bilionário como presidente em 2016, foram abertos processos em Washington e Nova York baseados na "cláusula sobre emolumentos" da Constituição, que proíbe qualquer pessoa em um cargo público de aceitar remuneração de origem estrangeira sem a autorização do Congresso.

Os demandantes acreditavam que as delegações estrangeiras contribuiam para a renda do Trump International Hotel, perto da Casa Branca, com a esperança de ganhar favor do presidente, em violação desta norma constitucional.

O então presidente, apoiado pelo secretário da Justiça, respondeu que esta cláusula tinha como objetivo evitar que os funcionários públicos embolsem subornos e não que façam negócios.

Os tribunais emitiram decisões contraditórias e, em última instância, a Suprema Corte não terá a última palavra sobre esta questão legal.

Esta conclusão lança alguma luz sobre o horizonte judicial de Trump, que enfrenta vários casos.

Acusado de incentivar seus partidários a invadir a sede do Congresso em 6 de janeiro, no dia da certificação da vitória de seu rival democrata Joe Biden nas eleições de novembro, Trump será julgado pelo Senado em fevereiro por "incitação à insurreição".

chp/rle/llu/dga/aa