Mercado abrirá em 1 h 12 min
  • BOVESPA

    122.515,74
    +714,95 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.869,48
    +1,16 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,24 (+0,34%)
     
  • OURO

    1.813,10
    -9,10 (-0,50%)
     
  • BTC-USD

    38.532,13
    -1.033,87 (-2,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    935,36
    -25,53 (-2,66%)
     
  • S&P500

    4.387,16
    -8,10 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.838,16
    -97,31 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.107,93
    +26,21 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    26.194,82
    -40,98 (-0,16%)
     
  • NIKKEI

    27.641,83
    -139,19 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    14.969,00
    +16,25 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1521
    +0,0080 (+0,13%)
     

Suposto cérebro de fraude fiscal gigante é preso na Suíça

·1 minuto de leitura
(Arquivo) Interior da Bolsa de Frankfurt

O advogado alemão Hanno Berger, 70, suposto cérebro de uma fraude fiscal que custou bilhões de euros aos cofres europeus, foi preso na Suíça, informou uma fonte da Justiça à AFP nesta sexta-feira.

O suspeito foi detido anteontem, no cantão de Graubuenden, em cumprimento de uma ordem de prisão emitida por autoridades alemãs, segundo o Ministério da Justiça suíço.

A fraude, chamada "cum-ex", consistia em comprar e vender ações por volta do dia do pagamento de dividendos de forma tão rápida que a administração fiscal não pudesse identificar o verdadeiro proprietário. Essa prática deu lugar a um escândalo na Alemanha há cerca de 10 anos e levou a Justiça a abrir investigações em Frankfurt, Colônia e Munique envolvendo dezenas de agentes do mercado, banqueiros, advogados e conselheiros fiscais.

O tribunal regional de Wiesbaden espera poder executar um processo contra Hanno Berger, ex-advogado de renome e suposto intermediário de uma rede de investidores que se beneficiaram de um benefício fiscal normalmente reservado a apenas uma pessoa. Como o interessado se opôs à extradição para a Alemanha, o procedimento está pendente na Suíça, segundo a fonte judicial.

A fraude custou à Alemanha 7,2 bilhões de euros; à Dinamarca, 1,7 bilhão; e à Bélgica, 201 milhões desde 2001, segundo a imprensa europeia, incluindo a rede alemã ARD.

No mês passado, a Justiça alemã ditou a primeira pena de prisão ligada ao caso, contra um ex-diretor do banco alemão M.M. Warburg.

jpl/hmn/dlc/yad/eg/jvb/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos