Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.249,73
    +1.405,98 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.828,13
    +270,48 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,51
    -0,05 (-0,07%)
     
  • OURO

    1.775,30
    -2,90 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    41.111,37
    +569,12 (+1,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.019,57
    -44,27 (-4,16%)
     
  • S&P500

    4.354,19
    -3,54 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.919,84
    -50,63 (-0,15%)
     
  • FTSE

    6.980,98
    +77,07 (+1,12%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.783,14
    -56,57 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.939,00
    -85,00 (-0,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1778
    -0,0013 (-0,02%)
     

Suporte, 'faíscas' e beijo da medalha marcam conquista de Fratus e Michelle Lenhardt

·2 minuto de leitura
TÓQUIO,  JAPÃO - 01.08.2021 - Olimpíadas Tóquio 2020 - Natação 9° Dia - Bruno Fratus do Brasil, comemora a conquista da medalha de bronze, após a Final dos 50m livre masculino, nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020, no Centro Aquático de Tóquio, nesta domingo 01. (Foto: Gian Mattia D'Alberto/LaPresse/DiaEsportivo/Folhapress)
TÓQUIO, JAPÃO - 01.08.2021 - Olimpíadas Tóquio 2020 - Natação 9° Dia - Bruno Fratus do Brasil, comemora a conquista da medalha de bronze, após a Final dos 50m livre masculino, nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020, no Centro Aquático de Tóquio, nesta domingo 01. (Foto: Gian Mattia D'Alberto/LaPresse/DiaEsportivo/Folhapress)

TÓQUIO, JAPÃO (FOLHAPRESS) - Nas Olimpíadas reguladas mais do que nunca pelos protocolos, Bruno Fratus e Michelle Lenhardt, sua esposa e treinadora, quebraram um após a cerimônia de premiação dos 50 metros nado livre.

Com a medalha de bronze no peito, o atleta brasileiro de 32 anos deixou o pódio e foi em direção a ela, que estava na área reservada para as delegações nas arquibancadas. O beijo do casal já se tornou uma das imagens marcantes nos Jogos das máscaras e do distanciamento social.

"Desde que estou treinando o Bruno, essa é a primeira prova que eu assisti sendo a esposa. Não consegui ter um olhar técnico. Fui só coração a prova inteira. Hoje eu quis estar com o meu marido, torcendo", disse Michelle.

Os dois se conheceram na rotina de atletas e estão juntos há dez anos. Também velocista, a gaúcha de 41 anos participou dos Jogos de Pequim-2008 e passou a treinar o marido no fim de 2016.

Na época, Fratus estava arrasado pela participação frustrante nas Olimpíadas do Rio, e ela também não sabia para qual caminho encaminhar a carreira após uma incursão pelo mundo das competições fitness.

"A medalha foi construída desde novembro de 2016, quando estavam os dois no tapete da sala, chorando, sem saber o que seria do futuro e comendo sem parar. Isso demorou algumas semanas, até a gente falar: 'não pode ser o fim, vamos em frente'. O Brett [Hawke, treinador australiano] não podia mais dar treino a ele e precisava que alguém o treinasse. Eu disse que assumiria", contou Michele.

O primeiro teste foi a participação no Mundial de 2017, em que Fratus ficou com a medalha de prata. Dali em diante decidiram seguir em frente com a parceria até Tóquio.

Michelle reconhece que Bruno Fratus "dá muito trabalho", na visão dela, por ser perfeccionista. Afirma que o marido sempre soube o que é bom para ele em termos de planejamento, mas ela também passa os conhecimentos adquiridos na carreira. "A gente agrega muito ao outro. Nossa parceria funcionou porque os dois fizeram a mesma coisa a vida inteira", define.

Mas nem sempre foi fácil, principalmente no início da relação profissional. "Muitas vezes saíram faíscas, na borda da piscina, inclusive em competição... Mas, quando tudo passa, a gente percebe o quanto se fortalece com esses pequenos acontecimentos", diz. "Aprendemos a nos divertir, brigar e dar risada depois. Fomos avaliando, impondo limites. Em vez de estourar, espera, porque no final do dia a gente está junto."

Michelle foi a única treinadora do time de seis profissionais da comissão técnica brasileira em Tóquio. Para Fratus, era ela quem deveria ficar com a sua medalha no peito. Além dos treinamentos e das broncas, ele diz que sem a esposa não teria sido salvo do buraco em que se enfiou após a Rio-2016. "Eu falo para mim que o amor sempre vence. É a mulher da minha vida, minha companheira para a vida inteira."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos