Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,11 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,12 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.831,30
    +15,60 (+0,86%)
     
  • BTC-USD

    57.478,55
    -1.330,32 (-2,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,29 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,26 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,42 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.709,75
    +112,00 (+0,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Supermercados dizem que preços devem desacelerar após alta

JOANA CUNHA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os preços nos supermercados de São Paulo subiram 0,28% em março, segundo o IPS (Índice de Preços dos Supermercados), calculado pela Apas/Fipe, mas a associação dos varejistas no estado diz que projeta desaceleração nos principais itens da cesta básica nos próximos meses.

O economista da Apas (Associação Paulista de Supermercados) Rodrigo Mariano aposta na boa safra prevista em 2021 para reduzir o custo de produtos como arroz e feijão. A carne deve se manter estável, mas em um patamar elevado, segundo ele.

A pesquisa dos supermercadistas mostra que carnes, leites e cereais tiveram aumento de mais de 27% no acumulado de 12 meses.

O ovo, vilão do último mês, ficou quase 8% mais caro. O preço sobe enquanto o consumidor, diante da carne cara, eleva a demanda pelo produto.

O preço dos legumes caiu 4,34% depois do aumento de 12% em janeiro, segundo os supermercados. Nos produtos industrializados, os panificados foram os que mais encareceram.