Mercado abrirá em 4 h 9 min
  • BOVESPA

    111.923,93
    +997,93 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,23 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,50
    +0,52 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.804,30
    +8,40 (+0,47%)
     
  • BTC-USD

    17.346,07
    +338,47 (+1,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    410,80
    +9,37 (+2,34%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,88 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    19.495,62
    +820,27 (+4,39%)
     
  • NIKKEI

    27.820,40
    +42,50 (+0,15%)
     
  • NASDAQ

    11.969,50
    -40,75 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4973
    +0,0033 (+0,06%)
     

Supermercados devem abrir 7 mil vagas temporárias em São Paulo

Homem trabalhando em um supermercado
Atualmente, o setor emprega diretamente mais de 579,6 mil pessoas

(Getty Images)

  • Apas prevê abertura de 7 mil postos de trabalho em supermercados de São Paulo

  • Oportunidades são temporárias e focadas na Black Friday e Natal

  • Outras empresas como C&A, RiHappy e Amazon já abriram vagas para o período

Com a aproximação da Black Friday e Natal, supermercados de São Paulo devem abrir cerca de 7 mil vagas temporárias para reforçar suas equipes durante essa época movimentada. A projeção é da Associação Paulista de Supermercados (Apas).

“A Black Friday e o Natal são as datas com o maior volume de vendas nos supermercados, período bom para quem busca oportunidade de emprego”, explicou Ronaldo dos Santos, presidente da Apas, em comunicado à imprensa.

Leia também:

Entre janeiro e setembro deste ano, cerca de 12,7 mil postos de trabalho foram abertos, sendo que o setor emprega diretamente mais de 579,6 mil pessoas. “A expectativa é que o setor supermercadista crie mais 7 mil posições até dezembro e feche 2021 com mais de 585 mil pessoas trabalhando nos supermercados do Estado de São Paulo”, aponta Santos.

Vendas na Black Friday devem cair pela primeira vez em cinco anos

Apesar do movimento gerado pelas promoções, projeções da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) divulgadas nesta quarta-feira (17) mostram que a inflação deve fazer as vendas da Black Friday no Brasil caírem pela primeira vez em cinco anos.

Segundo a estimativa, a data deve movimentar R$ 3,93 bilhões neste ano. É o maior patamar nominal de vendas (sem levar em conta a inflação) desde que o evento foi incorporado ao varejo nacional, em 2010.

Contudo, devido à escalada dos preços, o cenário fica diferente. Em termos reais, com o desconto da inflação, o volume projetado para 2021 representa queda de 6,5% frente ao ano passado, a primeira retração desde 2016.