Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.789,33
    +556,59 (+0,51%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,03
    +900,05 (+1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    113,65
    +1,25 (+1,11%)
     
  • OURO

    1.813,00
    -5,90 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    30.495,01
    +599,89 (+2,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    687,37
    +444,69 (+183,24%)
     
  • S&P500

    4.088,85
    +80,84 (+2,02%)
     
  • DOW JONES

    32.654,59
    +431,17 (+1,34%)
     
  • FTSE

    7.518,35
    +53,55 (+0,72%)
     
  • HANG SENG

    20.602,52
    +652,31 (+3,27%)
     
  • NIKKEI

    26.659,75
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    12.559,25
    -1,00 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2183
    +0,0079 (+0,15%)
     

Supermercado tranca Nutella por medo de furto após alta nos preços

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Nutella
Loja também trancou carnes embaladas a vácuo nas vitrines próximas aos balcões de atendimento

(Getty Images)

  • Supermercado em São Paulo tranca Nutella por medo de furto;

  • Consumidores precisam pedir aos funcionários que abram a prateleira caso queiram comprar o produto;

  • Item é um dos mais furtados, ao lado de carnes, queijos e outros.

O aumento nos preços dos alimentos e produtos fez um supermercado de São Paulo trancar, em uma prateleira próxima ao caixa, os potes de avelã da marca Nutella. Com isso, os consumidores que desejarem comprá-los, devem pedir a um funcionário que destranque o vidro.

A decisão foi motivada pelo medo de furtos que têm aumentado nos estabelecimentos ao redor do país. A Nutella, inclusive, está entre os produtos mais roubados, ao lado de carne, queijo, cerveja, refrigerantes, desodorantes e pilhas.

De acordo com a Folha de S. Paulo, o mercado que trancou a Nutella é uma das 15 lojas do supermercado Chama, que também deixou carnes embaladas a vácuo nas vitrines próximas aos balcões de atendimento, em vez de colocá-las nas prateleiras refrigeradas, como acontecia anteriormente.

Em março, uma loja da rede Dia, no centro da cidade, tomou precauções parecidas para evitar o roubo de carne: trancar as embalagens com corrente e cadeado, alertando que os interessados avisassem um funcionário caso quisessem adquirir o alimento.

"O índice de furtos indica um agravamento da questão socioeconômica e, de certa forma, está fora do nosso controle", afirmou Márcio Milan, vice-presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), ao jornal.

No ano passado, os furtos corresponderam por um prejuízo de R$ 3,2 bilhões no setor de supermercados, cerca de 15% das perdas de 2020. Com o encarecimento dos alimentos, cenas de tumultos em meio a promoções também se tornaram comuns, como a que aconteceu em um mercado de Brasília.

No vídeo, pessoas aparecem disputando, desesperadamente, pelo quilo de cebola vendido a R$ 0,99. O preço médio do legume, no estado, é de R$ 4,99 o quilo. Apesar da confusão, ninguém ficou ferido.

Cesta básica chega a custar R$ 760 no Brasil

De acordo com estudo elaborado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), em março, o preço da cesta básica aumentou em todas as 17 cidades pesquisadas. O maior valor foi registrado em São Paulo (R$ 761,19), enquanto o menor foi em Aracajú (R$ 524,99).

O alto valor encontrado na capital paulista é resultado da inflação de 6,36% em relação ao mês anterior. Já o Rio de Janeiro possui a maior variação (7,65%) e o segundo lugar em valor absoluto, com cesta básica custando em média a R$ 750,71. Com valor médio de R$ 745,47, Florianópolis foi o terceiro lugar entre os municípios mais caros na compra dos itens básicos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos