Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.910,10
    -701,55 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.661,86
    +195,84 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,29
    +0,68 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.792,30
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    37.569,82
    +671,49 (+1,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    863,83
    +21,37 (+2,54%)
     
  • S&P500

    4.431,85
    +105,34 (+2,43%)
     
  • DOW JONES

    34.725,47
    +564,69 (+1,65%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.430,25
    +443,50 (+3,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9813
    -0,0427 (-0,71%)
     

"Superlua" parece ter sido encontrada em outro sistema estelar

·3 min de leitura

Uma segunda candidata a superlua foi descoberta. Chamada Kepler-1708 b-i, o satélite natural fica na órbita de um exoplaneta do tamanho de Júpiter, a cerca de 5.500 anos-luz de nós. A descoberta foi feita por David Kipping, da Columbia University, junto de seus colegas e, se for confirmada, poderá significar que a ocorrência de exoluas é tão comum no universo quanto a de exoplanetas.

A possível nova exolua foi encontrada na órbita de Kepler-1708b, um exoplaneta um pouco menor que Júpiter. Até o momento, as evidências sugerem que a lua tem, aproximadamente, 2,6 vezes o tamanho da Terra, e parece ser gasosa. Ela é um pouco menor que a possível lua de tamanho de Netuno, encontrada por Kipping e seus colegas, na órbita do exoplaneta Kepler-1625b.

A mais nova candidata foi revelada em meio a dados coletados pelo já aposentado telescópio espacial Kepler, que operou durante anos em busca de exoplanetas. Para isso, o Kepler observava pequenas diminuições na luz das estrelas, que podiam ser causadas por planetas. Em meio aos dados, o exoplaneta 1Kepler-1708b era o único que mostrava algo correspondente ao sinal de uma exolua.

As exoluas são objetos fascinantes para os astrônomos por um motivo parecido pelo qual os exoplanetas o são: além de terem o potencial de revelar como e onde a vida pode ter surgido no universo, elas têm características curiosas próprias, e podem ajudar em estudos sobre como se formaram, se podem abrigar vida e se têm papel na habitabilidade de seus planetas.

A candidata a "super" exolua

A candidata a superlua foi encontrada na órbita de Kepler 1708b, um exoplaneta localizado a cerca de 5.500 anos-luz da Terra, na direção das constelações do Cisne e da Lira, e é cerca de 30% menor que aquela encontrada anteriormente por Kipping e seus colegas. Segundo os autores, as duas candidatas a superluas são feitas de gás acumulado pelos efeitos gravitacionais vindos de suas enormes dimensões.

Representação da candidata a exolua e seu planeta; se a descoberta for confirmada, é possível que estes satélites naturais sejam tão comuns quanto exoplanetas (Imagem: Reprodução/Helena Valenzuela Widerström)
Representação da candidata a exolua e seu planeta; se a descoberta for confirmada, é possível que estes satélites naturais sejam tão comuns quanto exoplanetas (Imagem: Reprodução/Helena Valenzuela Widerström)

Se este realmente for o caso, é possível que as duas tenham começado suas vidas como planetas, mas acabaram atraídas para a órbita de mundos ainda maiores, como é o caso de Kepler-1625b e 1708b. Kipping observa que, embora já existam algumas dezenas de milhares de candidatos a exoplanetas identificados, encontrar exoluas é algo ainda mais desafiador. Agora, observações futuras com outros telescópios espaciais devem ser realizadas para verificar a descoberta após alguns anos — basta lembrar que a primeira exolua identificada por Kipping é alvo de debates até hoje.

Eric Agol, professor de astronomia da Universidade de Washington, tem dúvidas sobre o sinal realmente indicar uma lua. ”Pode ser apenas uma flutuação nos dados, tanto por ruídos da estrela quanto pelos instrumentos”, sugeriu ele. Por outro lado, outros estão otimistas. “Isso é ciência pura: encontramos um objeto intrigantes, fizemos uma previsão e ou a confirmamos, ou descartamos com observações futuras”, propôs o astrônomo Michael Hippke.

De qualquer forma, ainda será preciso aguardar novos dados sobre a mais nova candidata a exolua. Kipping considera que a espera valerá a pena, e compara a situação ao ceticismo que recebeu a ideia da existência de exoplanetas. “Estes planetas são algo alienígena em comparação com o nosso sistema, mas revolucionaram o nosso entendimento de como sistemas planetários se formam”, concluiu.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Nature Astronomy.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos