Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.867,62
    +338,65 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,06
    -1,61 (-2,57%)
     
  • OURO

    1.794,90
    +16,50 (+0,93%)
     
  • BTC-USD

    54.910,64
    -1.708,21 (-3,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.265,58
    +2,62 (+0,21%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.894,75
    +100,50 (+0,73%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7022
    -0,0003 (-0,00%)
     

"Supercamera" do Perseverance já fez primeiras análises em alta qualidade

Wyllian Torres
·2 minuto de leitura

Desde que o rover Perseverance pousou em solo marciano, a equipe responsável pela missão vem realizando verificações de saúde em todos os sistemas. Até o momento, já tivemos acesso aos áudios capturados pela SuperCam e, agora, ela revela a capacidade de seu sensor infravermelho e seu espectrômetro — peças fundamentais para a análise de amostras do solo.

A SuperCam apresenta um sensor de luz visível e infravermelho (VISIR) e um espectrômetro chamado Raman. O VISIR é responsável por coletar a luz do Sol para, então, estudar o conteúdo mineral em rochas e sedimentos. Este é um processo complementar ao trabalho do Raman, o qual lança um laser verde para excitar (ou aquecer) as ligações químicas e, a partir dessa luz refletida, ele é capaz de fornecer informações quanto à composição do material observado.

Alta capacidade de zoom da SuperCam revela detalhes na rocha "Máaz", que significa "Marte" em Navajo (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)
Alta capacidade de zoom da SuperCam revela detalhes na rocha "Máaz", que significa "Marte" em Navajo (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)

Segundo o diretor de pesquisas do Instituto de Mineralogia, Física de Materiais e Cosmoquímica (IMPMC), em Paris, essa é a primeira vez que um instrumento usa a espectroscopia Raman em qualquer lugar que não seja na Terra. Raman diz: “a espectroscopia Raman vai desempenhar um papel crucial na caracterização de minerais para obter uma visão mais profunda das condições geológicas sob as quais eles se formaram e para detectar potenciais moléculas orgânicas e minerais que podem ter sido formadas por organismos vivos”.

A importância de uma boa análise desse material é poder estudar a geologia de Marte e ajudar cientistas a definirem quais amostras serão separadas para serem enviadas à Terra em futuras missões. Naomi Murdoch, pesquisadora do Instituto Superior de Aeronáutica e Espaço, na França, e membro da equipe responsável pela câmera, diz: “a SuperCam realmente dá aos olhos do rover olhos capazes para ver nos mostrar rochas promissoras e ouvidos para ouvir o que soa quando os lasers os atingem“.

Paleta responsável pelo calibre da SuperCam (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)
Paleta responsável pelo calibre da SuperCam (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)

A missão de recuperação das amostras, fruto de parceria entre a NASA e a Agência Espacial Europeia (ESA), chama Mars Sample Return (MSR) e tem previsão de lançamento em 2026. Seu principal objetivo é trazer para nosso planeta as amostras coletadas, selecionadas e armazenadas pelo Perseverance. Para Murdoch, este será um dos feitos mais ambiciosos realizado pela humanidade.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: