Mercado abrirá em 3 h 11 min
  • BOVESPA

    107.005,22
    +758,07 (+0,71%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.289,91
    +895,88 (+1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,65
    -0,56 (-0,50%)
     
  • OURO

    1.844,40
    +3,20 (+0,17%)
     
  • BTC-USD

    30.269,24
    +1.375,30 (+4,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    675,37
    +23,14 (+3,55%)
     
  • S&P500

    3.900,79
    -22,89 (-0,58%)
     
  • DOW JONES

    31.253,13
    -236,94 (-0,75%)
     
  • FTSE

    7.445,42
    +142,68 (+1,95%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    12.065,00
    +186,75 (+1,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2138
    -0,0050 (-0,10%)
     

Superar autossabotagem fez Alexandra Loras mudar de área profissional

·2 min de leitura

Quem escuta Alexandra Loras palestrar sobre diversidade e inclusão ou empoderar mulheres em busca de suas melhores versões, não imagina que a francesa tenha enfrentado a “síndrome da impostora” em sua trajetória profissional. Mas superar a autossabotagem levou Alexandra a deixar para trás uma cadeira como executiva da IBM e alçar voos ainda maiores.

“Quando chegou a oportunidade de ser promovida, eu tive a “síndrome da impostora” eu fui me formar na universidade de Tony Robbins, na Inglaterra, para superar essa autossabotagem”, conta a consultora. A transformação foi tão grande, que ela decidiu se reinventar e buscar um lugar que, até então, não era ocupado por mulheres negras: a televisão.

“Eu adorava a IBM, mas eu fui trabalhar nessa dor que era não ver negros na TV francesa. Então eu falei: ‘ao invés de reclamar, eu vou me tornar apresentadora de TV”, afirma Alexandra.

Alexandra abraçou a questão da inclusão racial no Brasil

Ao questionar a presença de pessoas negras em diferentes ambientes da vida - na escola, nas relações amorosas, no ambiente de trabalho ou no churrasco em casa - a consultora e empreendedora Alexandra Loras enfatiza que, caso não haja incômodo com a ausência, fazemos todos parte do problema racial no país.

<p>A consultora e empreendedora Alexandra Loras conta como, ainda quando consulesa da França em São Paulo, abraçou a questão da inclusão racial no Brasil. A francesa, que já integrou o elenco do programa Shark Tank, critica o racismo estrutural do nosso país e atua junto ao RH de empresas como Bradesco e Siemens para fazer com que, como ela, outros negros possam romper bolhas e tetos de vidro nas instituições. Além disso, Alexandra desenvolve um consultoria de liderança feminina dentro e fora das empresas, empoderando mulheres a encontrar a melhor versão de si mesmas.</p>
A consultora e empreendedora Alexandra Loras conta como, ainda quando consulesa da França em São Paulo, abraçou a questão da inclusão racial no Brasil. A francesa, que já integrou o elenco do programa Shark Tank, critica o racismo estrutural do nosso país e atua junto ao RH de empresas como Bradesco e Siemens para fazer com que, como ela, outros negros possam romper bolhas e tetos de vidro nas instituições. Além disso, Alexandra desenvolve um consultoria de liderança feminina dentro e fora das empresas, empoderando mulheres a encontrar a melhor versão de si mesmas

Também conhecida por investir em negócios entre os 'tubarões' do reality Shark Thank Brasil, Alexandra abraçou a questão da inclusão racial no Brasil ainda quando era consulesa da França em São Paulo. Seu trabalho foca na critica ao racismo estrutural do nosso país e atua junto ao RH de empresas como Bradesco e Siemens. O objetivo: fazer com que, como ela, outros negros possam romper bolhas e tetos de vidro nas instituições.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos