Mercado fechará em 5 h 49 min
  • BOVESPA

    120.104,66
    +807,52 (+0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.104,25
    +600,54 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,44
    +1,26 (+2,09%)
     
  • OURO

    1.736,50
    -11,10 (-0,64%)
     
  • BTC-USD

    63.500,36
    +586,02 (+0,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.364,31
    -11,47 (-0,83%)
     
  • S&P500

    4.150,34
    +8,75 (+0,21%)
     
  • DOW JONES

    33.861,88
    +184,61 (+0,55%)
     
  • FTSE

    6.923,59
    +33,10 (+0,48%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    +403,58 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    +82,29 (+0,28%)
     
  • NASDAQ

    13.955,25
    -20,50 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7914
    -0,0398 (-0,58%)
     

Super safra de grãos impulsiona perspectiva para Rumo

Fabiana Batista
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O pipeline da maior operadora ferroviária nacional está repleto de contratos para transportar grãos no primeiro semestre deste ano, já que o comércio global de commodities tem sido menos incerto após o alívio da guerra comercial EUA-China, enquanto as perspectivas para a safra do Brasil ainda são de uma produção abundante.

A Rumo, gigante da logística que possui 13.500 km de linhas ferroviárias que ligam o centro agrícola do país aos maiores portos costeiros, começou este ano com o dobro de contratos do que tinha um ano atrás para o transporte de commodities agrícolas, disse o CEO João Alberto Abreu, em entrevista.

Como o conflito comercial entre os EUA e a China foi amenizado, reduzindo incertezas do mercado agrícola global, as tradings estabeleceram mais contratos de transporte ferroviário com antecedência, com menos incertezas globais, disse o executivo. Além disso, os preços do diesel, que agregam custos ao transporte por caminhões dos concorrentes rodoviários, estão se recuperando após a pandemia do ano passado, enquanto os preços atrativos das commodities levaram os agricultores a vender mais grãos. “Temos um ambiente competitivo mais equilibrado este ano.”

Em 2020, o desempenho da empresa foi atingido por um conjunto de fatores que reduziram em mais da metade as suas margens de lucro, mesmo com o aumento de 4% no volume transportado. Um deles foi a concorrência mais acirrada vinda do corredor de exportação do norte. As tradings reduziram os custos de embarque de soja e milho pelos portos da região Norte após o asfaltamento total da BR-163, estrada que conecta o cinturão de grãos a esses terminais do chamado Arco Norte.

Impulsionado pela safra recorde no Brasil no ano passado, esse corredor carregou 16% mais soja em 2020 do que no ano anterior, segundo dados da Abiove.

A Rumo, controlada pela Cosan, espera transportar pelo menos 15% a mais de commodities em 2021 em relação ao ano passado e aumentar o lucro operacional em pelo menos 9%, depois da queda de 4,3% em 2020, a empresa disse no inicio deste mês. “Esperamos que 2021 seja um ano mais favorável.”

Mesmo depois de alguns problemas climáticos, o Brasil vem colhendo uma safra recorde de soja, que será embarcada sobretudo no primeiro semestre deste ano. Para o segundo semestre, onde os line ups do porto são dominados principalmente por embarques de milho e açúcar, a perspectiva ainda é de uma produção abundante para ambas as commodities, apesar das adversidades climáticas.

O executivo disse que ainda é cedo para especular sobre o impacto do atraso histórico do plantio da segunda safra de milho, que responde por 75% da produção nacional. “Ainda temos muitos meses pela frente. Os agricultores têm tecnologia para amenizar os impactos dos atrasos ”, disse.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.