Mercado fechará em 37 mins
  • BOVESPA

    101.863,78
    +1.311,34 (+1,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.634,23
    -35,02 (-0,09%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,56
    +0,53 (+1,32%)
     
  • OURO

    1.906,00
    -23,50 (-1,22%)
     
  • BTC-USD

    13.032,51
    +1.975,50 (+17,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    263,04
    +6,94 (+2,71%)
     
  • S&P500

    3.455,86
    +20,30 (+0,59%)
     
  • DOW JONES

    28.404,21
    +193,39 (+0,69%)
     
  • FTSE

    5.785,65
    +9,15 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    24.786,13
    +31,71 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    23.474,27
    -165,19 (-0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.655,00
    -36,25 (-0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5968
    -0,0532 (-0,80%)
     

Brasil tem superávit comercial recorde para setembro, de US$6,2 bi, com queda de importações

Por Marcela Ayres
·1 minuto de leitura
Vista de contêineres no porto de Santos (SP)
Vista de contêineres no porto de Santos (SP)

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O Brasil teve superávit comercial de 6,2 bilhões de dólares em setembro, maior para o mês da série histórica iniciada em 1989, novamente guiado pelo tombo nas importações em meio à crise do coronavírus, divulgou o Ministério da Economia nesta quinta-feira.

O dado, contudo, veio abaixo da projeção de um superávit de 7,1 bilhões de dólares, segundo pesquisa Reuters com analistas.

Enquanto as exportações somaram 18,5 bilhões de dólares no mês, queda de 9,1% pela média diária frente a igual mês do ano passado, as importações alcançaram 12,3 bilhões de dólares, retração de 25,5% na mesma base.

Em relação às vendas para o exterior, o mês de setembro foi marcado por um aumento de 3,2% na agropecuária e de 9,2% na indústria extrativa, sempre pelo critério da média diária sobre o mesmo mês de 2019.

Por outro lado, os embarques na indústria de transformação caíram 18,7%.

Já na ponta das importações, a contração foi generalizada, sendo de 50% nos produtos da indústria extrativa, de 24,8% na indústria de transformação e de 2,8% na agropecuária.

No acumulado dos nove primeiros meses do ano o saldo da balança comercial ficou no azul em 42,4 bilhões de dólares, aumento de 18,6% ante igual período do ano passado.

Nesta quinta-feira, o ministério reviu suas perspectivas para o resultado do ano, passando a prever saldo comercial superavitário em 55 bilhões de dólares, sobre 55,4 bilhões de dólares projetados em julho.

Agora, a perspectiva é de exportações de 210,7 bilhões de dólares em 2020 (202,5 bilhões de dólares anteriormente), e importações de 155,7 bilhões de dólares (147,1 bilhões de dólares antes).