Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.131,73 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,63 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    37.171,88
    +153,60 (+0,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,26 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +77,00 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,08 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    +0,0791 (+1,25%)
     

Superávit comercial da zona do euro aumenta com exportações se recuperando mais que importações

·1 minuto de leitura
Contêineres no porto de Hamburgo, Alemanha

BRUXELAS (Reuters) - O superávit comercial não ajustado da zona do euro saltou em outubro na comparação com o mesmo período do ano anterior, mostraram dados nesta quarta-feira.

A agência de estatísticas da União Europeia, Eurostat, informou que o superávit comercial de bens dos 19 países que usam o euro com o resto do mundo foi de 30 bilhões de euros em outubro, de 27,2 bilhões um ano antes.

As importações da zona do euro caíram 11,7% em outubro na comparação com o mesmo mês do ano anterior, enquanto as exportações recuaram apenas 9,0%.

Os dados ajustados sazonalmente mostram que o superávit comercial em outubro foi de 25,9 bilhões de euros, de 23,7 bilhões em setembro, com as exportações ajustadas sazonalmente subindo 2,1% na comparação mensal e as importações aumentando 1,0%.

A Eurostat disse que, nos últimos seis meses, as exportações se recuperaram mais rapidamente que as importações e a balança comercial retornou aos níveis pré-crise. Entretanto, comparado a fevereiro, mês em que entraram em vigor as restrições pela Covid-19, as exportações e importações tinham queda respectivamente de 6,2% e 7,4%.

(Reportagem de Philip Blenkinsop)