Mercado abrirá em 8 h 27 min
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,11
    -0,04 (-0,06%)
     
  • OURO

    1.738,90
    +2,60 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    63.383,59
    -227,67 (-0,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.381,24
    +5,47 (+0,40%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.939,58
    +49,09 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    28.623,90
    -276,93 (-0,96%)
     
  • NIKKEI

    29.646,84
    +25,85 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.812,50
    +13,75 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7693
    -0,0036 (-0,05%)
     

Sudeste Asiático desperdiça US$ 6 bi em plástico não reciclado

Claire Jiao
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Países do Sudeste Asiático chegam a perder até US$ 6 bilhões por ano com plásticos que são descartados em vez de reciclados. A conclusão é de um novo estudo do Banco Mundial.

Mais de 75% dos plásticos recicláveis na Malásia, Tailândia e Filipinas são desperdiçados, o que representa uma “oportunidade de negócio significativa e inexplorada” na economia circular, de acordo com o relatório divulgado nesta terça-feira.

A Tailândia, que tem o maior setor petroquímico do Sudeste Asiático, recicla menos de 18% dos resíduos plásticos, a menor parcela da região. O país tem mostrado maior interesse no tema e aumentou investimentos em instalações de reciclagem, mas poucas estão ligadas às empresas que produzem resina, segundo o estudo.

Na Malásia e nas Filipinas, as principais marcas de bens de consumo e fabricantes de embalagens estão optando por aumentar o conteúdo reciclado em seus produtos. No entanto, a maioria dos fornecedores de recicláveis é composta por empreendimentos de pequeno e médio porte que carecem de escala, sistemas de gestão e tecnologias para atender a demanda.

“Esses estudos mostram que existe uma oportunidade inexplorada para colher benefícios ambientais e econômicos com intervenções complementares e claras dos setores público e privado”, disse Ndiamé Diop, diretor do Banco Mundial para Brunei, Malásia, Filipinas e Tailândia.

Definir metas de conteúdo reciclado, exigir padrões de design para reciclagem e requisitos de coleta de resíduos por setor pode destravar valor adicional para o Sudeste Asiático, afirmou a instituição. Os governos também devem considerar aumentar a eficiência da triagem, restringir o descarte de resíduos plásticos em aterros sanitários e eliminar gradualmente o uso de itens de plástico não essenciais.

Construir o modelo de negócios para a reciclagem de plástico ajuda a desviar resíduos dos aterros, reduzindo o risco de contaminação da água, acrescentou o Banco Mundial.

Até 13 milhões de toneladas de resíduos plásticos acabam no oceano todo ano, sendo que a Ásia é responsável por mais de 80% dessa quantidade. Filipinas e Tailândia ocupam, respectivamente, o terceiro e sexto lugares no ranking de maiores geradores de poluição plástica no mundo, segundo dados da instituição.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.