Mercado fechará em 3 h 52 min
  • BOVESPA

    113.041,39
    +9,41 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.719,06
    +80,70 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,13
    -2,28 (-2,55%)
     
  • OURO

    1.789,30
    -8,80 (-0,49%)
     
  • BTC-USD

    23.891,10
    -351,04 (-1,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    568,63
    -3,28 (-0,57%)
     
  • S&P500

    4.308,52
    +11,38 (+0,26%)
     
  • DOW JONES

    34.151,04
    +238,60 (+0,70%)
     
  • FTSE

    7.536,06
    +26,91 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    19.830,52
    -210,34 (-1,05%)
     
  • NIKKEI

    28.868,91
    -2,87 (-0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.670,50
    -10,75 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2332
    +0,0547 (+1,06%)
     

Subway explorou imigrantes e vitimou franqueados, diz site

·5 min de leitura
50% das lojas do Subway têm participação minoritária, de acordo com os números da International Franchise Association citados no processo (REUTERS/Andrew Winning)
50% das lojas do Subway têm participação minoritária, de acordo com os números da International Franchise Association citados no processo (REUTERS/Andrew Winning)
  • Processo diz que rede de fast-food "quer franqueados ingênuos"

  • Subway tem mais lojas que Starbucks ou McDonald’s nos EUA

  • "Caso Patel" surgiu em 2017 e está presente nos processos

De acordo com uma reportagem extensa do New York Post, a grande rede de lanchonetes do Subway se tornou um foco de exploração financeira para imigrantes estrangeiros - vitimando aqueles que foram aproveitados como franqueados e até levando alguns à ruína, afirma um explosivo processo judicial.

Durante anos, a gigante do fast-food recrutou imigrantes, principalmente da Ásia, para expandir uma rede americana que, há uma década, abrangia mais de 25 mil localidades em todo o país. Embora os aspirantes a empreendedores acreditassem que estavam comprando o "Sonho Americano", alguns foram pegos em uma rede corporativa mal administrada e repleta de corrupção, segundo o processo aberto no mês passado no tribunal estadual de Nevada.

Leia também:

Momento delicado

Pelas informações obtidas, as acusações incendiárias vêm enquanto o Subway está lutando para obter um controle mais rígido sobre sua rede de 56 anos - que os críticos dizem que o co-fundador Fred DeLuca expandiu em uma rede nacional de feudos regionais administrados pelos BDAs (os chamados "agentes de desenvolvimento de negócios"). Em alguns casos, os BDAs usaram táticas de intimidação contra franqueados menores que foram ativamente recrutados pelo Subway no exterior, de acordo com o processo.

“O Subway estava tentando capitalizar o conceito do sonho americano. Eles estavam dizendo a imigrantes em outros países para trazerem seu primo aqui para financiar o Subway e foi isso que aconteceu. O Subway está permitindo que seus BDAs lucrem com as costas de minorias”, disse Mark Shearer, um advogado de Ohio que representou franqueados do Subway em casos de arbitragem e que não está envolvido nos últimos terno em Nevada.

Busca de um público específico

Ainda de acordo com o que disse Shearer, a Subway "quer franqueados ingênuos que não entendem seus direitos", e uma prova disso seria a grande diferença de preço - em comparação a grandes concorrentes - no processo de abertura das franquias. Segundo o processo de de Nevada, o Subway cobra, em média, R$ 86 mil (US$ 15 mil) em taxas para abrir uma nova loja. Ao mesmo tempo, McDonald's e Burger King cobram cerca de R$ 258 mil (US$ 45 mil) para tal. O que atrairia um operador menos sofisticado.

Diversidade?

Questionada sobre o processo de Nevada, uma porta-voz do Subway disse em um comunicado por escrito que a empresa "está orgulhosa de sua rede diversificada de franqueados, muitos dos quais são proprietários de pequenas ou minorias". Cerca de 50% das localizações da Subway são propriedade de imigrantes, em comparação com 30% das franquias em geral, de acordo com os números da International Franchise Association citados no processo. O Subway agora tem cerca de 22 mil restaurantes nos EUA - todos pertencentes a franqueados -, superando os 14 mil do McDonald’s e os 15.2 mil do Starbucks, para o título de maior rede de fast-food dos EUA.

A Subway
A Subway "alimentou sua expansão ao 'encorajar' seus franqueados imigrantes", disse sua porta-voz (Getty Images)

Fechamento de lojas

O problema começou a explodir com o fechamento de parte destas lojas - e como elas têm sido feitas. A rede, durante anos, usou um livro de regras com cerca de 350 páginas para avaliar os franqueados, cada um contendo pelo menos 10 pontos de conformidade - criando mais de 3 mil maneiras de uma loja violar as regras, afirma o processo de Nevada. Exemplos de infrações mesquinhas incluem janelas manchadas e pepinos cortados indevidamente, de acordo com o processo de Mehta - e as consequências podem ser terríveis. Um franqueado considerado fora de conformidade por um BDA pode ser forçado a pagar uma taxa de royalties mais alta ao Subway - até 10,5% das vendas brutas, ante 8%, afirma o processo.

Caso "Patel"

Um dos famosos casos, descritos no processo, envolve Chirayu Patel, ex-BDA de Mehta - e seu suposto manual empregado. Em 2017, o Subway rescindiu os contratos para as duas lojas de Mehta, supostamente por violações menores do livro de regras, afirma o processo. Patel, então, usou seu poder como agente de desenvolvimento de negócios para impedir Mehta de vender seus dois restaurantes a um comprador qualificado. E mais, pegou um dos restaurantes para si e o revendeu, ficando com o lucro, afirma a ação.

O processo afirma que Mehta perdeu mais de R$ 22 milhões (US$ 4 mi), incluindo oportunidades perdidas, investimentos e lucros. Para piorar, os franqueados não podem processar a própria Subway por causa das cláusulas que assinam em seus contratos. Os advogados de Mehta, no entanto, alegam no processo, que acusa Patel de extorsão, que outro co-autor pode ser nomeado e que trarão outros franqueados como testemunhas.

Subway tem mais lojas do que Starbucks ou McDonald’s nos EUA (Getty Images)
Subway tem mais lojas do que Starbucks ou McDonald’s nos EUA (Getty Images)

Os BDAs do Subway normalmente possuem restaurantes nos territórios que supervisionam - um acordo que o processo alega ser um conflito de interesses “extremo”. Fato é que, recentemente, Patel deixou seu cargo na Subway Corporate em meio a um processo separado que dizia que ele roubou quase R$ 230 milhões (US$ 40 mi) de seus trabalhadores. Em um e-mail para o The Post, Patel disse que seus funcionários estavam "seguindo os requisitos legais da Subway para proteger nossos clientes e marca".

Solução?

Nos últimos anos, o Subway começou a eliminar seu sistema de BDA e a administrar alguns territórios por conta própria. Em uma segunda resposta por escrito às perguntas do The Post, um porta-voz do Subway disse que a empresa está "em uma jornada transformacional de vários anos" sob o comando do presidente-executivo John Chidsey, um ex-executivo do Burger King que assumiu o comando em novembro de 2019. Mas grande parte do país ainda está coberto por BDAs, alguns dos quais supostamente causaram muitos danos - e não apenas entre os novos imigrantes.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos