Mercado abrirá em 7 h 21 min

Subcomitê da Câmara dos EUA diz que Big Techs se aproveitam de “poder de monopólio”

·2 minutos de leitura

O Subcomitê Antitruste da Câmara sugeriu mudanças profundas na legislação americana que poderiam resultar na separação das empresas Depois de 16 meses de investigações sobre as práticas de Apple, Amazon, Facebook e Google, o Subcomitê Antitruste da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos concluiu que as chamadas "Big Techs" se aproveitam do “poder de monopólio” para dominar o mercado e sugeriu mudanças profundas na legislação americana que poderiam resultar na separação das empresas. No relatório de cerca de 450 páginas obtido pela emissora “CNBC”, o Subcomitê Antitruste, controlado pelos democratas, reúne as conclusões sobre a investigação, que revisou mais de 1,3 milhão de documentos ao longo do último ano. Os republicanos que integram o órgão se opuseram à parte das propostas, de acordo com a “CNBC”, entre elas as que sugerem a imposição de separações estruturais às empresas. O deputado Ken Buck, preparou uma alternativa às conclusões dos democratas, em um documento que enumera áreas em que há consenso entre os dois partidos. Um porta-voz do Partido Republicano confirmou à “CNBC” que o deputado Jim Ohio também planeja propor uma resposta às alegações de que as empresas agem para censurar conteúdos conservadores, algo negado pelas Big Techs. No relatório principal, segundo a “CNBC”, os democratas disseram que as empresas têm “poder de monopólio nas seguintes áreas: Apple (distribuição de aplicativos em dispositivos com o sistema iOS); Amazon (a maioria dos vendedores terceirizados e muitos fornecedores); Facebook (publicidade on-line e redes sociais); e Google (pesquisa on-line). “As empresas que antes eram iniciantes fragmentadas e oprimidas, que desafiavam o status quo, se tornaram o tipo de monopólio que vimos pela última vez na era dos barões do petróleo e magnatas das ferrovias”, diz o relatório. “Essas empresas têm muito poder, e esse poder deve ser controlado e sujeito à supervisão e fiscalização adequadas. Nossa economia e democracia estão em jogo.” Os CEOs das quatro empresas foram ouvidos pelo Subcomitê Antitruste em julho e se defenderam das acusações feitas pelos deputados dos dois partidos. Na ocasião, o democrata David Cicilline, que preside as investigações, fez críticas aos executivos. “Simplificando: eles têm muito poder”, disse o parlamentar.