Mercado abrirá em 1 h 6 min
  • BOVESPA

    108.232,74
    +1.308,56 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.563,98
    +984,08 (+1,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    115,38
    +1,18 (+1,03%)
     
  • OURO

    1.833,90
    +19,90 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    30.339,75
    +378,18 (+1,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    682,29
    +439,61 (+181,15%)
     
  • S&P500

    4.008,01
    -15,88 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    32.223,42
    +26,76 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.526,43
    +61,63 (+0,83%)
     
  • HANG SENG

    20.602,52
    +652,31 (+3,27%)
     
  • NIKKEI

    26.659,75
    +112,70 (+0,42%)
     
  • NASDAQ

    12.478,00
    +233,25 (+1,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3198
    +0,0393 (+0,74%)
     

Sua próxima comida pode ter saído de um estacionamento

·3 min de leitura
Empresas de entregas de comida usam cozinha fantasma para baixar os preços nos EUA (Getty Images) (Getty Images)
  • Empresas de entregas de comida usam cozinha fantasma para baixar os preços

  • Em abril de 2021, nos EUA, a cozinha fantasma pegou fogo duas vezes no Texas

  • Empresa ‘fantasma’ teve lucro de R$ 62 milhões até setembro de 2021

As cozinhas móveis que atendem apenas a serviços de entrega de comida, como Uber Eats e DoorDash, parecem uma ótima ideia em teoria, já que cozinhas de entrega dedicadas podem empurrar os alimentos mais rápido sem ter que se preocupar em passar as refeições para os servidores. Mas um relatório do The Wall Street Journal detalha alguns dos contratempos associados a uma empresa de cozinha fantasma ligada a um trailer, a Reef, que envolve queimaduras de terceiro grau e violações regulatórias.

Leia também

Apenas em abril deste ano, o WSJ relata que uma cozinha Reef em Houston, Texas, sofreu dois acidentes com fogo em apenas quatro meses. Um envolveu uma explosão que irrompeu dos queimadores de propano da cozinha - e por um golpe de sorte, o cozinheiro saiu ileso.

Este caos fica um pouco menos surpreendente quando você percebe que Reef, na verdade, não começou no negócio de alimentos. De acordo com o WSJ, Reef (anteriormente ParkJockey) originalmente procurou transformar partes de estacionamentos em parques cheios de trailers que contêm diferentes áreas de serviço. Depois de receber US $ 1,2 bilhão em financiamento da SoftBank em 2018, ela comprou duas administradoras de estacionamentos, tornando-se "a maior rede de estacionamentos da América do Norte".

E embora Reef seja aparentemente um magnata do estacionamento, ainda tem problemas para garantir uma vaga adequada para plantar seus reboques. O WSJ descobriu que a empresa tem de recorrer ao aluguel de estacionamentos para mais de 70% de suas cozinhas.

Empresa ‘fantasma’ teve lucro de R$ 62 milhões

Além disso, algumas cidades classificam os trailers do Reef como food trucks, o que significa que a empresa muitas vezes tem que rebocar seus reboques até os depósitos para encher de água - às vezes gastando US$ 20.000 (R$ 112 ml) para rebocar em um único dia, conforme observado pelo WSJ. Para complicar ainda mais, os reboques não são feitos para uso na estrada, potencialmente esticando as linhas de propano e levando a vazamentos. Reef também foi atingida por várias violações, incluindo algumas por operar sem autorização e não rebocar reboques para depósitos dedicados após o uso, levando à suspensão de mais de 25 reboques desde este verão.

Apesar de todas essas questões gritantes, o WSJ afirma que a receita de alimentos da Reef atingiu US$ 12 milhões (R$ 62 milhões) em setembro, 600% a mais que no ano passado. Wendy's, Burger King e Popeye's também fecharam negócios com Reef, o que significa que se você receber sua comida de algum desses locais, você nem saberá que veio de um trailer. De acordo com o WSJ, a Reef possui atualmente cerca de 350 cozinhas móveis.

Reef tem alguma competição, no entanto, na forma de CloudKitchens do ex-CEO do Uber Travis Kalanick. A empresa de cozinha flutuante de Kalanick também parece estar passando por dificuldades operacionais, mas de uma raça completamente diferente. Ele supostamente sofre do mesmo tipo de caos que cercou o Uber sob a liderança de Kalanick, incluindo altas taxas de rotatividade e uma "cultura interna agressiva".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos