Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.259,75
    -657,98 (-0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.707,72
    +55,53 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,78
    -0,86 (-2,12%)
     
  • OURO

    1.903,40
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    12.998,24
    -313,89 (-2,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,05
    -1,40 (-0,54%)
     
  • S&P500

    3.465,39
    +11,90 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    28.335,57
    -28,09 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.860,28
    +74,63 (+1,29%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,65 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.516,59
    +42,32 (+0,18%)
     
  • NASDAQ

    11.669,25
    +19,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6639
    +0,0538 (+0,81%)
     

Streaming DC Universe muda de nome e terá estreia mundial só com HQs em 2021

Claudio Yuge
·4 minutos de leitura

Que o streaming DC Universe estava perto do fim, isso todo mundo sabia, especialmente depois das demissões impostas pelo grupo-mãe AT&T e pelo fim da assinatura anual nos últimos meses. A plataforma também já vinha migrando seu conteúdo original para o HBO Max e para o canal CW e, nesta sexta-feira (18), o anúncio do “óbito” finalmente aconteceu: a partir de 2021, o serviço será rebatizado para DC Universe Infinite e será dedicado apenas para os quadrinhos digitais — deixando séries, filmes e animações de lado.

Reposicionado como "o serviço definitivo de assinatura de quadrinhos", o DC Universe Infinite vem para bater de frente com o Marvel Unlimited. Para isso, uma das ideias é expandir o atual catálogo com a recém-lançada iniciativa “digital first” da DC Comics, que traz títulos dedicados para a leitura em dispositivos eletrônicos. A editora, que rompeu recentemente com maior distribuidora de gibis dos Estados Unidos, a Diamond, quer ampliar sua presença no setor de HQs digitais.

<em>Injustice: Year Zero é uma das primeiras publicações da linha "digital first" (Imagem: Reprodução/DC Comics)</em>
Injustice: Year Zero é uma das primeiras publicações da linha "digital first" (Imagem: Reprodução/DC Comics)

Além de histórias feitas especialmente para telefones, computadores e tablets, a expectativa é de que a editora aos poucos adicione os lançamentos tradicionais, que também contam com versões digitais, em uma janela de menos de seis meses de diferença em relação às estreias das revistas que vão para as lojas — operação semelhante à da concorrente Marvel Unlimited. Todos os quadrinhos poderão ser lidos online ou baixados para leitura offline.

O editor/diretor de criação da DC, Jim Lee, falou sobre a mudança:

Nossos fãs amam a robusta biblioteca de quadrinhos da plataforma e, com a transformação, não desapontaremos. Estou animado em compartilhar que não apenas os membros do DC Universe Infinite ainda poderão ler todos os grandes quadrinhos de que gostaram, mas novas edições estão estreando na plataforma mais rápido do que antes.

Estamos criando ‘digital first’ e eventos exclusivos para membros, que começarão a receber essas novidades o mais rápido possível. Nunca houve melhor momento para ser um fã da DC!

E a reorganização na AT&T continua

Este é mais um episódio da grande reformulação interna imposta pela AT&T, que vem enxugando a folha salaria de todos os seus ativos, incluindo a DC Comics e a Warner Bros. Além de arcar com as altas cifras envolvendo aquisições nos últimos anos, o grupo quer tornar todo seu ecossistema financeiramente mais sustentável; e investir em conteúdo original para o HBO Max, por meio do braço WarnerMedia.

O setor de games, o Warner Bros Interactive Entertainment, foi mantido, devido ao potencial de receita que pode chegar com a nova geração de consoles e com títulos há muito esperados, como Hogwarts Legacy, título de mundo aberto ambientado no universo de Harry Potter; e Suicide Squad Kill the Justice League e Gotham Knights, ambos desenvolvidos pela Rocksteady, conhecida pela franquia de sucesso Batman Arkham.

Preço e disponibilidade do DC Universe Infinite

O DC Universe Infinite está programado para ser lançado em 21 de janeiro de 2021, com planos para um lançamento internacional em junho de 2021 — o que já é uma ótima notícia, pois a plataforma de streaming anterior não saiu da América do Norte. O serviço terá "mais de 24 mil quadrinhos no lançamento", o que representa apenas 1 mil a mais do que o catálogo atual já possui.

<em>Imagem: Divulgação/DC Comics</em>
Imagem: Divulgação/DC Comics

Para aqueles que se inscreveram no DC Universe para o conteúdo de vídeo, o HBO Max tem um plano especial de transferência de assinatura a US$ 4,99 (R$ 26,72 na conversão direta e sem taxas) mensais até o dia 20 de outubro — e até o encerramento do vínculo que o usuário tinha inicialmente com a plataforma anterior. Vale destacara que o HBO Max custa atualmente US$ 14,99 (R$ 80,27) por mês.

O DC Universe Infinite vai custar os mesmos US$ 7,99 (R$ 42,79) mensais cobrados atualmente, ou US$ 74,99 (R$ 399) na assinatura anual. Quem aderir até 1º de fevereiro de 2021 vai receber um voucher para a loja DC Shop, no valor de US$ 25 (R$ 134) para os assinantes anuais e US$ 10 (R$ 53,55) para os mensais. Como dito acima, o serviço por enquanto só está disponível nos Estados Unidos e há chances de chegar por aqui — e em outros países ao redor do mundo — apenas após o segundo semestre do ano que vem.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: