Mercado fechará em 2 h 28 min
  • BOVESPA

    125.619,88
    +1.007,85 (+0,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.194,94
    +284,41 (+0,56%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,49
    +0,84 (+1,17%)
     
  • OURO

    1.800,60
    +0,80 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    39.676,45
    +1.844,99 (+4,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    931,41
    +1,48 (+0,16%)
     
  • S&P500

    4.394,88
    -6,58 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.937,72
    -120,80 (-0,34%)
     
  • FTSE

    7.016,63
    +20,55 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    25.473,88
    +387,45 (+1,54%)
     
  • NIKKEI

    27.581,66
    -388,56 (-1,39%)
     
  • NASDAQ

    14.963,50
    +15,75 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1110
    +0,0026 (+0,04%)
     

Streamer termina Zelda: Breath of the Wild sem pisar duas vezes no mesmo lugar

·2 minuto de leitura

Desde o lançamento de The Legend of Zelda: Breath of the Wild, em 2017, os jogadores não cansam de experimentar e descobrir coisas novas no game. Desta vez, uma fã conseguiu terminar o jogo de uma maneira diferente: sem pisar no mesmo lugar mais de uma vez.

Quem realizou a façanha foi a desenvolvedora e streamer Everest Pipkin. Ela apelidou o desafio de The Traveling Swordsman Problem (O problema do espadachim viajante, em tradução livre). Para traçar um caminho no jogo, ela usou o modo Hero’s Path, recurso do DLC The Master Trials. A função registra todo o caminho de Link através de linhas no mapa — esteja ele voando, caminhando, escalando ou se teletransportando pelo mundo.

Este foi o caminho percorrido por Everest em Breath of the Wild (Foto: Reprodução/Redes sociais/Everest Pipkin)
Este foi o caminho percorrido por Everest em Breath of the Wild (Foto: Reprodução/Redes sociais/Everest Pipkin)

É claro que o desafio não foi fácil: "levei oito meses, seis recomeços e incontáveis momentos de terror quando começou a chover. Mas está feito”, escreveu Everest no Twitter. Mas... por que se dar tanto trabalho? "Eu não sou uma speedrunner nem especialmente boa em jogos e, francamente, se eu soubesse no que estava me metendo, poderia ter feito outra coisa. No entanto, eu sou muito paciente e obcecada em fazer as coisas totalmente uma vez que eu as começo", explicou em uma thread na rede social.

“Meu primeiro reinício aconteceu porque eu entrei pela porta da frente do Temple of Time”, disse. “Duas horas depois, eu precisaria assistir a uma cutscene no telhado. Bem em cima de mim”. Isso aconteceu porque a linha que o jogo traça no mapa não considera a altitude dos espaços; ou seja, independentemente de o jogador passar por cima ou por baixo em um lugar com diferentes altitudes, a linha registrada sempre era a mesma, em 2D — o que anularia o desafio.

Everest também descobriu que quando ela carregava um ponto de salvamento anterior, o jogo continuava mostrando o caminho percorrido; por isso, ela precisava reiniciar o jogo do zero. Até mesmo os movimentos de Link durante as cutscenes eram catalogadas. Pelo menos, os movimentos de dentro dos shrines não eram registrados, o que deu um certo alívio para Everest.

A aventura completa foi publicada em uma série de vídeos no YouTube. Abaixo, está o último episódio da saga, que inclui os momentos finais no Hyrule Castle. Assista (em inglês):

The Legend of Zelda: Breath of the Wild está disponível para Nintendo Switch e Wii U. Uma sequência do jogo está em desenvolvimento e tem previsão de lançamento para 2022.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos