Mercado fechará em 1 h 31 min
  • BOVESPA

    122.156,11
    +1.807,31 (+1,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.226,22
    +333,94 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,15
    -0,21 (-0,40%)
     
  • OURO

    1.836,70
    +6,80 (+0,37%)
     
  • BTC-USD

    35.741,15
    -317,73 (-0,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    695,10
    -40,04 (-5,45%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.720,65
    -15,06 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.862,77
    +288,91 (+1,01%)
     
  • NIKKEI

    28.242,21
    -276,97 (-0,97%)
     
  • NASDAQ

    12.810,00
    +7,75 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3613
    -0,0313 (-0,49%)
     

Strategie Grains vê pouco espaço para UE assumir exportações de trigo da Rússia

·1 minuto de leitura

PARIS (Reuters) - As ofertas apertadas de trigo na União Europeia farão com que haja pouco espaço para que novos negócios de exportação sejam obtidos nesta temporada, após a Rússia decidir impor uma tarifa aos embarques do cereal, disse a consultoria Strategie Grains nesta quinta-feira.

Moscou vai aplicar uma taxa de 25 euros (30,57 dólares) por tonelada para as exportações de trigo entre 15 de fevereiro e o término do ano comercial, em 30 de junho, como parte de esforços para estabilizar os preços domésticos de alimentos.

Embora as consequências do imposto ainda não sejam claras, operadores e analistas projetam uma queda nos embarques russos.

"Há pouca disponibilidade para a UE exportar muito mais do que já está projetado. Dessa forma, a demanda por exportações que a Rússia arrisca perder terá que ser transferida para a Austrália ou Argentina", disse a Strategie Grains.

Em relatório mensal, a empresa francesa elevou sua previsão para as exportações de trigo soft da UE e Reino Unido na temporada 2020/21 para 24,7 milhões de toneladas, ante 24,3 milhões previstos anteriormente.

A cifra reflete um forte aumento na expectativa de embarques da França, diante de vendas sustentadas para a China e competitividade renovada na Argélia, fatores que compensam a redução nas exportações da Alemanha e Polônia, disse a consultoria.

(Reportagem de Gus Trompiz)