Mercado fechado

StoneX mantém previsão de safra 2020/21 de soja do Brasil, mas alerta sobre atraso

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A safra de soja do Brasil em 2020/2021 deve alcançar 132,6 milhões de toneladas, estimou nesta quinta-feira a consultoria StoneX, que manteve a projeção ante o número de setembro, mas alertou sobre potenciais atrasos na colheita com um plantio mais lento devido a escassez de chuvas.

"O início do plantio tem sofrido atrasos devido à falta de chuvas, mas ainda não se pode falar em perdas, pois os produtores conseguem avançar rapidamente assim que o clima melhorar", disse a analista de inteligência de mercado da StoneX, Ana Luiza Lodi, em nota.

A consultoria, que elevou a sua previsão de exportação em 2020 em 1 milhão de toneladas ante o mês anterior, para 82 milhões de toneladas, chamou a atenção para o estoque de passagem "reduzido" para o novo ciclo, de apenas 520 mil toneladas.

Segundo relatório da empresa de análises, a situação "preocupa ainda mais diante desse início de plantio atrasado, com a soja da safra nova demorando mais para entrar no mercado no próximo ano".

O mercado doméstico enfrenta momento de forte restrição de oferta, com preços elevados, lembrou.

Em relação à primeira safra de milho 2020/21, a StoneX apresentou pequenas revisões da área e do rendimento em Santa Catarina. Com isso, a área total ficou em 4,18 milhões de hectares e a produção em 27,88 milhões de toneladas.

SEGUNDA SAFRA

Ana Luiza ainda chamou a atenção para a janela climática para o plantio da segunda safra de milho, que responde pelo maior volume do cereal colhido e é plantada após a colheita da soja.

Ela disse que isso também preocupa, "caso os atrasos (da soja) se intensifiquem".

(Por Roberto Samora)