Mercado abrirá em 2 mins
  • BOVESPA

    119.920,61
    +356,17 (+0,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.934,91
    +535,11 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,98
    -0,73 (-1,13%)
     
  • OURO

    1.839,00
    +23,30 (+1,28%)
     
  • BTC-USD

    57.374,61
    -248,36 (-0,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.491,25
    +19,84 (+1,35%)
     
  • S&P500

    4.201,62
    +34,03 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    34.548,53
    +318,19 (+0,93%)
     
  • FTSE

    7.107,02
    +30,85 (+0,44%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.782,75
    +185,00 (+1,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3699
    +0,0033 (+0,05%)
     

StoneX reduz previsão de exportação de milho do Brasil, mas vê recorde para soja

·3 minuto de leitura
Grãos de milho fotografados em Dixon, Nebraska (EUA)

SÃO PAULO (Reuters) - Com um corte na previsão de segunda safra de milho do Brasil e um novo aumento na estimativa para a colheita de soja, a consultoria StoneX alterou nesta segunda-feira suas projeções de exportações do país, realizando uma redução na expectativa de vendas externas do cereal, ao mesmo tempo em que passou a ver embarques recordes da oleaginosa em 2021.

Devido à seca, a segunda safra do cereal foi reduzida para72,7 milhões de toneladas, ante 77,65 milhões de toneladas na estimativa do mês anterior. Com uma oferta menor e firme demanda interna, as cotações dispararam no mercado brasileiro para cerca de 100 reais a saca, impactando os embarques.

"Diante dos elevados preços do milho no país e de um oferta mais baixa, a competitividade do cereal no mercado externo tem sido impactada", disse a StoneX, que revisou sua estimativa de exportação para 29 milhões de toneladas, contra 35 milhões de toneladas na projeção do mês passado.

Até o início de abril, a StoneX via uma estabilidade nos embarques do Brasil na temporada 2020/21, na comparação com a temporada passada.

"A safra de inverno recebeu um corte de 5 milhões de toneladas, para 72,7 milhões, volume abaixo do observado na safra passada", disse João Pedro Lopes, analista de inteligência de mercado, em nota.

Com isso, a produção total de milho do Brasil é agora estimada em 100,25 milhões de toneladas, ante 102,5 milhões de toneladas na temporada passada, conforme dados da Companhia Nacional de Abastecimento.

Apesar do corte na safra, a revisão nas exportações deixou um pouco maior a projeção de estoques finais, agora estimados em 10,85 milhões de toneladas, versus 9,7 milhões na última estimativa.

"É importante ressaltar que o balanço de oferta e demanda para o milho brasileiro continua muito apertado, lembrando que a disponibilidade na primeira metade do ano depende da safra de verão, muito menor que a safrinha", disse Lopes.

SOJA RECORDE

Já a produção de soja do Brasil em 2020/2021 deve alcançar 135,7 milhões de toneladas, ante 134 milhões de toneladas em estimativa anterior.

Com a colheita já finalizada, isso representa um crescimento de mais de 10 milhões de toneladas na comparação com o número da Conab para a temporada passada, garantindo o oferta para o país embarcar ainda mais ao exterior, diante da forte demanda da China.

A consultoria revisou os números das exportações para 85 milhões de toneladas, frente 82 milhões na projeção anterior. Se confirmados, isso representaria um aumento de cerca de 2 milhões de toneladas ante a safra passada e superaria o recorde de 2018, de 83,26 milhões de toneladas.

"Os embarques da soja brasileira estão extremamente aquecidos, passado o ritmo inicial mais lento por conta dos atrasos na colheita", comentou a consultoria.

"As perspectivas são de uma demanda mundial muito favorável, destacando que a China continua importando muita soja. Ademais, mesmo com a queda recente do dólar, a oleaginosa brasileira se mantém competitiva", disse a especialista de inteligência de mercado, Ana Luiza Lodi.

(Por Roberto Samora)