Mercado abrirá em 3 h 6 min
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,59 (+0,83%)
     
  • OURO

    1.861,90
    -17,70 (-0,94%)
     
  • BTC-USD

    39.634,36
    +4.055,48 (+11,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    907,39
    -34,43 (-3,66%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.161,10
    +27,04 (+0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.031,00
    +36,75 (+0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1908
    -0,0018 (-0,03%)
     

StoneX aponta queda de 0,79% no confinamento bovino do Brasil em 2021

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - O confinamento bovino terá queda de 0,79% em 2021 na comparação com o ano passado, para 4,24 milhões de animais, em meio a um aumento de custos com grãos, apontou nesta terça-feira a StoneX, ao divulgar a primeira pesquisa sobre o assunto para o ano.

A redução é limitada por maior intenção de confinar bois em Estados como Mato Grosso e Goiás, onde as matérias-primas são mais abundantes, acrescentou a consultoria, citando ainda que essas regiões têm grandes estruturas para a atividade.

Em Mato Grosso, o confinamento deverá avançar para 964,8 mil cabeças, cerca de 100 mil a mais na comparação anual, enquanto em Goiás o crescimento é mais modesto, para 833,8 mil aninais.

Os Estados de São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul deverão ver um recuo no confinamento este ano.

A StoneX disse ainda que o país deverá registrar média de 50% da capacidade estática dos confinamentos, com a maior utilização ficando para o segundo giro, indicando a maior oferta vinda da pecuária intensiva no segundo semestre.

A StoneX informou também que cerca de 36% dos entrevistados ainda necessitam comprar metade de seus insumos para alimentação dos animais, enquanto apenas 25% já garantiram 100% de seus insumos.

"Com as máximas renovadas das cotações dos grãos, o produtor está com um menor poder de compra. Esse cenário é devido ao aumento dos preços dos grãos e, consequentemente, à diminuição da relação de troca do pecuarista entre boi e milho, por exemplo", notou.

(Por Roberto Samora)