Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.402,90
    +7,14 (+0,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

STJ adia julgamento sobre pensão para cachorros

O acusado alegou que não pode ser obrigado a pagar pensão para os cachorros (Getty Image)
O acusado alegou que não pode ser obrigado a pagar pensão para os cachorros (Getty Image)
  • Casal havia adotado quatro cachorros juntos

  • Após a separação, a mulher pediu pensão para arcar com os custos dos pets

  • Acusado deveria desembolsar mensalmente R$ 500

Quando um casal se divorcia, é necessário organizar com quem ficará a guarda dos filhos e como funcionará o pagamento da pensão. Mas, no caso de uma ação que corre na justiça de São Paulo, as "crianças" têm quatro patas, bastante pelos e vivem de ração.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) adiou nesta semana a conclusão do julgamento sobre a obrigatoriedade do pagamento de valores para custear gastos de animais de estimação após uma separação.

No processo, o colegiado precisa decidir se aceita o recurso de um homem que foi condenado a pagar metade dos custos com os cuidados de quatro cachorros adquiridos com a companheira.

Ele deveria desembolsar mensalmente R$ 500 para bancar a alimentação e os cuidados com os animais. Além disso, teria que pagar também R$ 20 mil de indenização pelo período anterior ao ajuizamento da ação.

O acusado alegou que não pode ser obrigado a pagar pensão para os cachorros e que não tem recursos para bancar os gastos. Outro argumento é que, depois da separação, não teve mais veículos com os cachorros.

Para o ministro Villas Boas Cueva, a aquisição conjunta resultaria na obrigação de cobrir os gastos. Já o ministro Marco Bellizze abriu divergência e entendeu que o pedido para cobrar os custos deveria ter sido feito até três anos após o término, ou a ação prescreveria. Ele ainda disse que a falta de vínculo afetivo com os cachorros e a ausência dos animais na partilha reforçam a falta de obrigatoriedade.

Depois dos votos, o julgamento foi suspenso por um pedido de vista da ministra Nancy Andrighi Ainda não existe uma data para a retomada do julgamento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos