Mercado fechará em 3 h 41 min
  • BOVESPA

    122.622,02
    +106,28 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.135,75
    +266,27 (+0,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,75
    -0,51 (-0,72%)
     
  • OURO

    1.813,00
    -9,20 (-0,50%)
     
  • BTC-USD

    38.194,47
    -1.672,32 (-4,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    931,84
    -11,60 (-1,23%)
     
  • S&P500

    4.404,49
    +17,33 (+0,40%)
     
  • DOW JONES

    34.979,61
    +141,45 (+0,41%)
     
  • FTSE

    7.105,72
    +24,00 (+0,34%)
     
  • HANG SENG

    26.194,82
    -40,98 (-0,16%)
     
  • NIKKEI

    27.641,83
    -139,19 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    15.003,50
    +50,75 (+0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2022
    +0,0581 (+0,95%)
     

STF rejeita quebra de sigilos de Elcio Franco, mas mantém para Pazuello e Ernesto

·2 minuto de leitura
Ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde Elcio Franco

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu rejeitar as quebras de sigilo telefônico e telemático do ex-secretário Executivo do Ministério da Saúde Elcio Franco aprovado pela CPI da Covid do Senado ao mesmo tempo em que manteve essas determinações para os ex-ministros Eduardo Pazuello, da Saúde, e Ernesto Araújo, das Relações Exteriores, em decisões separadas tomadas por ministros da corte.

Em decisão divulgada na noite de segunda, o ministro Nunes Marques atendeu a pedido da Advocacia-Geral da União e rejeitou abrir os sigilos de Elcio Franco, ex-número 2 da pasta da Saúde, e considerou que não havia indícios para sustentarem o pedido.

Franco, que já depôs à CPI, foi o principal negociador destacado por Pazuello para tratar da compra de vacinas contra Covid com os laboratórios.

"É precipitada e sem base jurídica a quebra ampla de sigilo de comunicação com base na ilação preliminar, sustentada em depoimentos opinativos e em notícias de jornal, que supõe a ocorrência de crime omissivo doloso num contexto fático altamente complexo, em que os decisores estavam sob imensa pressão, e presumivelmente tentavam, da melhor forma, num cenário de grandes incertezas, buscar saídas para a maior crise sanitária dos últimos cem anos", disse Nunes Marques.

Em outra decisão, o ministro do STF também barrou o afastamento dos sigilos do secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos do ministério, Helio Angotti Netto, outro alvo da CPI.

OUTRAS DECISÕES

Mais cedo, o ministro Luís Roberto Barroso tinha impedido que os senadores da CPI tivessem acesso aos dados de Flávio Werneck, ex-assessor de Relações Internacionais do Ministério Saúde na gestão de Pazuello, e de Camile Giaretta Sachetti, que foi diretora do departamento de Ciência e Tecnologia da pasta.

Na decisão, o ministro do STF justificou a rejeição do pedido por considerar que não estava "adequadamente fundamentado".

"Em primeiro lugar, o requerente não imputa nenhuma conduta ilícita, ou mesmo suspeita de ser ilícita, aos impetrantes. Em lugar disso, se limita a descrever as atribuições dos cargos por eles ocupados, com o objetivo de demonstrar que suas funções tinham relevância no esforço de enfrentamento à pandemia", escreveu ele.

Por outro lado, os ministros Ricardo Lewandowski e Alexandre de Moraes decidiram manter as ordens de quebra de sigilo de Eduardo Pazuello, Ernesto Araújo e de Mayra Pinheiro, secretária de Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde do Ministério da Saúde, conhecida como "capitã cloroquina".7

Os três já depuseram à CPI e, conforme senadores de oposição ao governo, revelaram contradições com a atuação do governo no enfrentamento à pandemia. Na semana passada, a comissão quebrou sigilos de cerca de 20 pessoas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos