Mercado fechará em 2 h 3 min
  • BOVESPA

    123.761,38
    -2.242,48 (-1,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.873,96
    -23,83 (-0,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,47
    -0,44 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.801,40
    +2,20 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    37.790,26
    -1.429,65 (-3,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    892,99
    +16,75 (+1,91%)
     
  • S&P500

    4.377,62
    -44,68 (-1,01%)
     
  • DOW JONES

    34.920,64
    -223,67 (-0,64%)
     
  • FTSE

    6.996,08
    -29,35 (-0,42%)
     
  • HANG SENG

    25.086,43
    -1.105,89 (-4,22%)
     
  • NIKKEI

    27.970,22
    +136,93 (+0,49%)
     
  • NASDAQ

    14.820,75
    -297,00 (-1,96%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1178
    +0,0075 (+0,12%)
     

STF proíbe Governo Bolsonaro de taxar cards Pokémon; entenda decisão

·4 minuto de leitura
STF proíbe Governo Bolsonaro de taxar cards Pokémon; entenda decisão
STF proíbe Governo Bolsonaro de taxar cards Pokémon; entenda decisão

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que o jogo de cartas Pokémon TCG está imune de impostos no Brasil, negando um pedido da Advocacia-Geral da União (AGU) do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) feito em abril de 2020.

A decisão foi tomada pela ministra Cármen Lúcia, que aceitou o argumento de que os cards estimulam a leitura e, por isso, podem ser enquadrados na categoria de livros – dessa forma, ficando isento de impostos. Atualmente, um pacote básico com 20 cartas custa R$ 15,00.

Pokémon TCG especial Charizard. Imagem: Divulgação/The Pokémon Company International
Governo Bolsonaro é proibido pelo STF de taxar cartas Pokémon. Imagem: Divulgação/The Pokémon Company International

O benefício fiscal do qual as cartas de Pokémon se enquadram está previsto no artigo 150 da Constituição Federal, que prevê isenção tributária com o objetivo de reduzir o preço final de livros, jornais e álbuns de figurinhas. A lei foi criada justamente para reduzir o preço de itens que podem estimular o acesso da população à cultura, informação e educação.

E, apesar do card não ser exatamente um livro ou uma figurinha, o STF entendeu que os itens podem estimular o público infantil a ler e se familiarizar com meios de comunicação impressos. “Atendendo, em última análise, à finalidade do benefício tributário”, assentiu a ministra na decisão.

A decisão foi tomada ainda em abril do ano passado e segue valendo, podendo abrir caminho para que outros jogos de cartas sejam isentos de impostos como livros no País. No entanto, a Receita Federal publicou recentemente um documento sobre a primeira parte da proposta de reforma tributária do governo, onde afirmava que livros didáticos poderiam ser taxados.

Caso a reforma prossiga, o governo federal conseguirá taxar as cartas Pokémon. Porém, o ministro da Economia, Paulo Guedes, garante que a ideia está fora de cogitação. “Jamais quis taxar livros”, afirmou ele em recente entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.

Governo Federal X Cartas Pokémon: uma luta sem insígnias

Montagem feita nas redes sociais transforma Cármen Lúcia em uma "mestre Pokémon"; ministra do STF proibiu Governo Bolsonaro de taxar jogo de cartas. Imagem: Montagem/Agência Brasil/Divulgação
Montagem feita nas redes sociais transforma Cármen Lúcia em uma “mestre Pokémon”; ministra do STF proibiu Governo Bolsonaro de taxar jogo de cartas. Imagem: Montagem/Agência Brasil/Divulgação

A disputa envolvendo os cards dos “monstros de bolso” e a Legislação Tributária no Brasil não é recente e tem início registrado há mais de uma década, em 2009. Na época, o Centro da Indústria do Estado do Amazonas (Cieam) e a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN), órgão vinculado à AGU, questionavam na Justiça o benefício fiscal na venda do Pokémon TCG concedido à Devir Livraria, responsável pela distribuição do jogo de cartas.

A empresa enquadrou o jogo como “objeto educativo” e, por isso, contava com a isenção de livros e jornais. A questão perdurou por anos, mas o Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) deu ganho de causa para o “lado Pokémon” e negou a aplicação dos impostos a mais pedidos pelos entes federativos.

Em 2020, a discussão foi para o STF. A PGFN entrou com um Recurso Extraordinário com Agravo (ARE), pedindo que a maior instância de Justiça do País suspendesse a decisão do TRF3 e permitisse a aplicação dos impostos “até que a questão fosse decidida” de uma vez por todas. O caso (leia o documento oficial aqui), então, parou na mesa da ministra Carmém Lúcia.

Leia mais:

O governo Bolsonaro argumentou que a análise do TRF em equiparar Pokémon a livros ou a um álbum de figurinhas para isenção fiscal “era superficial”, visto que os cards faziam parte de um jogo de estratégia e, o mais óbvio, não eram adesivas para serem entendidas como figurinhas. “A regra da imunidade prevista no texto constitucional visa estimular o avanço da cultura, da democracia, da educação, do acesso à informação e um jogo do Pokémon seguramente não serve a essa finalidade”, argumentou.

A PGFN ainda apontou que os cards não estimulavam a leitura, mas apenas complementavam “um jogo de conquista” e trocas, elemento tributado pela Receita Federal na classificação de “cartas de jogar”. O STF não aceitou os argumentos e afirmou que Pokémon TCG possui “conteúdo interativo e personagens retirados dos mangás“, descritos pela defesa como “livros ilustrados”.

A ministra Carmén Lúcia, então, aceitou que Pokémon TCG estimula a procura por conhecimento e definiu o jogo de cartas como “um veículo de transmissão de informação impresso para o público infantil”, enquandro-o no conceito de “livros e periódicos” da regra tributária imunizante.

E mais: o STF também determinou que o governo federal pague 10% dos honorários advocatícios da defesa. Atualmente, o caso voltou para o TRF3, onde ainda pode ser revisto – algo que, após um “golpe super efetivo”, não deve ocorrer.

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos