Mercado fechará em 1 h 41 min
  • BOVESPA

    128.070,58
    -1.194,38 (-0,92%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.046,95
    -268,74 (-0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,11
    -0,55 (-0,75%)
     
  • OURO

    1.777,90
    -5,00 (-0,28%)
     
  • BTC-USD

    32.645,16
    +144,12 (+0,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    777,19
    -17,14 (-2,16%)
     
  • S&P500

    4.240,96
    +16,17 (+0,38%)
     
  • DOW JONES

    33.916,83
    +39,86 (+0,12%)
     
  • FTSE

    7.090,01
    +27,72 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.309,76
    -179,24 (-0,63%)
     
  • NIKKEI

    28.884,13
    +873,20 (+3,12%)
     
  • NASDAQ

    14.214,00
    +84,00 (+0,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9586
    -0,0167 (-0,28%)
     

STF nega habeas corpus de secretária do Ministério de Saúde que vai depor à CPI na quinta-feira

·1 minuto de leitura
Ministro do STF Ricardo Lewandowski

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), rejeitou um pedido de habeas corpus apresentado pela secretária de Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, no depoimento que vai prestar à CPI da Covid do Senado na quinta-feira.

Mayra Pinheiro foi convocada para prestar esclarecimentos acerca da sua participação em supostamente defender o uso de medicações sem eficácia comprovada contra Covid-19. Por essa razão, ela tem sido chamada de "capitã Cloroquina".

A servidora pública havia pedido ao STF para garantir o direito de não se incriminar e também permitir que seu advogado pudesse responder aos questionamentos.

Em sua decisão, Lewandowski disse que a convocada terá de ficar à disposição dos senadores sem poder encerrar o depoimento de forma unilateral.

"Em face do exposto, indefiro a liminar, ficando ressalvado - até porque não há nada a indicar o contrário - o direito de a paciente fazer se acompanhar por advogado e o de ser inquirida com urbanidade e respeito, ao qual, como já assentei, faz jus qualquer testemunha", disse.

A decisão de Lewandowski em relação a Mayra Pinheiro foi diversa da que ele garantiu para o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, que vai depor à CPI na quarta-feira.

O ministro do STF assegurou a Pazuello o direito de permanecer em silêncio e não se incriminar em casos referentes à atuação dele à frente do ministério. Entretanto, o ex-titular terá de se pronunciar sobre ações realizadas por terceiros.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos