Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.123,34
    -121,81 (-0,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

STF muda regras de distribuição do salário-educação e beneficia estados do Nordeste

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta quarta-feira (15) que não é constitucional o cálculo usado pelo FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) para distribuir o salário-educação aos estados e municípios.

Com a decisão, haverá uma mudança na fórmula que deve causar um prejuízo nas receitas de São Paulo para a área da educação e beneficiar os estados do Nordeste, responsáveis por ajuizar a ação no Supremo.

Para que haja planejamento dos estados com a mudança nas receitas, o STF decidiu, porém, que a decisão só será aplicada a partir de 2024.

O salário-educação é uma contribuição social, descontada de empresas, que tem o objetivo de financiar programas, projetos e ações voltados para a educação básica pública.

Os estados nordestinos questionavam as regras da distribuição da contribuição social, que vinha sendo feita com base no número de alunos matriculados na rede pública e na origem da fonte da arrecadação.

Para esses estados, essa interpretação entrava em conflito com a Constituição, e deveria ser calculado apenas o número de estudantes matriculados. A maioria dos ministros do Supremo concordou com o entendimento.

"Desse modo [no cálculo anterior], os estados economicamente mais desenvolvidos, a exemplo de São Paulo, recebem parcela superior aos menos desenvolvidos, a exemplo dos estados do Nordeste, região onde o valor da arrecadação dessa contribuição é inferior devido ao menor número e menor expressão econômica dos contribuintes", argumentaram os estados do Nordeste.

Em 2020, o estado de São Paulo afirmou que previsões iniciais da Secretaria de Educação previam que, caso o entendimento fosse mudado, o estado deixaria de receber anualmente cerca de R$ 2,5 bilhões.

A ação foi apresentada em 2009, mas só começou a ser julgada pelo STF em 2018, e sofreu uma paralisação até ser retomada nesta quarta.

Votaram a favor da mudança os ministros Edson Fachin, Rosa Weber, Cármen Lúcia, Luís Roberto Barroso, Gilmar Mendes, Nunes Marques e Marco Aurélio, que já se aposentou.

Em seu voto, Fachin havia apontado que o cálculo antigo ia de encontro ao que previa a Constituição, que "estabelece um único critério de distribuição, qual seja, o número de alunos matriculados em cada ente federativo, não se podendo admitir que a lei preveja um critério prévio, calcado na origem da fonte de arrecadação".

Contra a medida votaram os ministros Alexandre de Moraes, Dias Toffoli, Luiz Fux e Ricardo Lewandowski.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos