Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,69 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.265,27
    +832,40 (+1,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,72 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

STF forma maioria para validar lei que permite contratação via PJ em salões de beleza

·3 min de leitura
*ARQUIVO* SAO PAULO, SP, BRASIL.- 20.04.2021 - Pelas novas regras anunciadas pelo governo de São Paulo, os salões de beleza vão poder reabrir para clientes a partir do próximo sábado, dia 24. O cabeleleiro Jeferson Massari dono de um salão no Shopping Tatuape se preparando para a reabertura. - (foto: Rubens Cavallari/Folhapress)
*ARQUIVO* SAO PAULO, SP, BRASIL.- 20.04.2021 - Pelas novas regras anunciadas pelo governo de São Paulo, os salões de beleza vão poder reabrir para clientes a partir do próximo sábado, dia 24. O cabeleleiro Jeferson Massari dono de um salão no Shopping Tatuape se preparando para a reabertura. - (foto: Rubens Cavallari/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O STF (Supremo Tribunal Federal) formou maioria nesta quinta-feira (28) para validar a lei que desobriga salões de beleza a contratarem seus funcionários no regime da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).

Os ministros Kassio Nunes Marques, Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes, Ricardo Lewandowski, Cármen Lúcia, Dias Toffoli e Gilmar Mendes entenderam que a norma que ficou conhecida como Lei do Salão Parceiro é constitucional.

Os ministros Edson Fachin e Rosa Weber ficaram vencidos ao votar pela derrubada da legislação sob o argumento de que a regra sancionada em 2016 viola a Constituição.

A corte já tem votos suficientes para rejeitar a ação apresentada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade contra a lei. Ainda falta o voto do presidente do tribunal, Luiz Fux.

Desta forma, a legislação que permite a contratação de cabeleireiro, barbeiro, esteticista, manicure, pedicure, depilador e maquiador por meio de contrato entre duas pessoas jurídicas está mantida.

Apesar de os magistrados terem feito uma discussão mais voltada ao caso dos salões de beleza, a decisão representa um sinal verde para o Congresso expandir essas regras a outras categorias.

A decisão libera no setor a chamada pejotização, nome dado ao fenômeno que dispensa o emprego no regime de CLT para o profissional abrir a própria empresa e prestar serviços a terceiros.

Os ministros que votaram nesse sentido afirmaram que a lei é constitucional porque prevê mecanismos de fiscalização para que a norma não permita o desvirtuamento na relação entre salões de beleza e profissionais da área.

"Se for contrato de emprego disfarçado de parceria deve-se reconhecer a relação de emprego", disse Barroso.

Prevaleceu o voto de Kassio, que abriu a divergência em relação a Fachin, que é o relator do processo.

O ministro afirmou que a legislação não fere a dignidade do trabalhador nem direitos trabalhistas previstos na Constituição. Além disso, afirmou que o novo regime de contratação dá mais liberdade ao empregado e pode ser bom para ele.

"Tem flexibilidade de horário, pode eleger data, dia e hora para exercer a profissão e tem a possibilidade de trabalhar em mais de um lugar por dia, podendo otimizar seu trabalho. Não se pode afirmar antecipadamente, com visão paternalista, o que é melhor para atender aos interesses do profissional", disse.

Lewandowski acompanhou o colega. "A lei abriga salvaguarda que busca evitar desvirtuamento do contrato de parceria", afirmou.

Barroso também foi nessa linha e disse que a legislação facilita a geração de empregos no setor e não viola direitos trabalhistas fundamentais. Segundo ele, a lei atendeu a uma demanda dos profissionais da área.

"Penso que a Constituição não veda alternativas nas relações de trabalho. O contrato de emprego não é a única forma de se estabelecerem relações de trabalho. Portanto, o mesmo mercado pode comportar alguns profissionais que sejam contratados com carteira assinada e outros profissionais cuja atuação têm caráter de eventualidade", afirmou.

Fachin, por sua vez, divergiu da maioria e disse que o contrato de parceria é, sim, uma modalidade de relação entre patrão e empregado e, portanto, não poderia fugir das regras da CLT.

"A lei ora contestada não requisita que o ato contratual reúna elementos próprios a determinar a autonomia e a ausência de subordinação jurídica do trabalhador, nem tampouco comina percentual da cota-parte que afaste a caracterização da relação de emprego ou exclua sua inferioridade econômica", disse.

E completou: "Isso porque os dispositivos vergastados incidem sobre relações caracterizadas pela subordinação jurídica e econômica, com possibilidade de existência de vários dos critérios indicadores da presença da relação de emprego".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos