Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.012,59
    -1.246,90 (-0,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.093,13
    -485,97 (-0,96%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,93
    -1,22 (-1,69%)
     
  • OURO

    1.774,50
    -86,90 (-4,67%)
     
  • BTC-USD

    37.793,36
    -829,30 (-2,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    937,51
    -32,36 (-3,34%)
     
  • S&P500

    4.221,86
    -1,84 (-0,04%)
     
  • DOW JONES

    33.823,45
    -210,22 (-0,62%)
     
  • FTSE

    7.153,43
    -31,52 (-0,44%)
     
  • HANG SENG

    28.558,59
    +121,75 (+0,43%)
     
  • NIKKEI

    29.018,33
    -272,68 (-0,93%)
     
  • NASDAQ

    14.178,50
    +197,25 (+1,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9690
    -0,0930 (-1,53%)
     

STF forma maioria para determinar que governo só precisa realizar o Censo em 2022

·1 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, 03.02.2020 - Sessão solene de abertura dos trabalhos do judiciário no STF (Supremo Tribunal Federal). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, 03.02.2020 - Sessão solene de abertura dos trabalhos do judiciário no STF (Supremo Tribunal Federal). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O STF (Supremo Tribunal Federal) formou maioria para que o governo federal não seja obrigado a realizar o Censo neste ano.

A corte já tem sete votos para reverter a decisão do ministro Marco Aurélio que impunha essa obrigação ao Executivo federal. Seis ministros já defenderam que o Supremo deve determinar a realização do Censo, mas apenas em 2022.

O julgamento ainda está em curso no plenário virtual que vai até as 23h59 desta sexta-feira (14).

Os magistrados entenderam que a obrigatoriedade para o IBGE realizar o levantamento deve valer par ao exercício financeiro seguindo ao da decisão, ou seja, no próximo ano.

Os ministros Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Cármen Lúcia, Rosa Weber, Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso votaram nesse sentido.

O ministro Kassio Nunes Marques, por sua vez, afirmou que não cabe ao STF neste momento impor qualquer obrigatoriedade sobre o tema ao Executivo.

Já Edson Fachin acompanhou Marco Aurélio para que o governo tenha que fazer o levantamento já neste ano.

Gilmar defendeu a necessidade de dar tempo ao governo para se planejar e foi acompanhado pela maioria.

"Não bastasse isso, a concessão de prazo razoável se alinha com a necessidade de preservar o espaço de deliberação próprio das instâncias políticas, assegurando outra oportunidade para que o Poder Executivo, em articulação direta com o Congresso Nacional, assegure créditos orçamentários suficientes para a realização do Censo Demográfico do IBGE".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos