Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.786,30
    +2.407,38 (+2,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.736,48
    +469,28 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,90
    +1,84 (+4,27%)
     
  • OURO

    1.804,50
    -33,30 (-1,81%)
     
  • BTC-USD

    18.967,92
    +515,96 (+2,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    377,07
    +7,32 (+1,98%)
     
  • S&P500

    3.635,41
    +57,82 (+1,62%)
     
  • DOW JONES

    30.046,24
    +454,97 (+1,54%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.078,75
    +173,50 (+1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3898
    -0,0505 (-0,78%)
     

STF deve derrubar ICMS sobre softwares; decisão fica para próxima semana

Wagner Wakka
·2 minuto de leitura

O Superior Tribunal Federal (STF) começou a julgar nesta quinta-feira (5) a cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviço (ICMS) em softwares. Até o momento, seis deles votaram a favor da eliminação do imposto, e três, contra. A decisão foi interrompida por pedido de vista de Luiz Fux.

A questão é baseada em duas Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs), mas que participam da mesma discussão pela proximidade entre elas. O argumento básico é de que já incide sobre softwares o Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS). Portanto, haveria no setor uma sobreposição de impostos com o mesmo propósito, levando à necessidade de eliminação de um dos dois.

A ADI 5659, de Dias Toffoli, defende que suporte e programas de computador são serviços, portanto o ICMS deveria ser eliminado da conta. Já a ADI 1945, de Cármen Lúcia, aponta o contrário, considerando softwares como uma mercadoria, logo passível de ICMS e exclusão do ISS.

O ministro Toffoli defende que, como há um esforço humano e intelectual, é possível considerar softwares como serviços. Em concordância com ele, votaram Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Ricardo Lewandowski. O ministro Marco Aurélio ainda votou pelo afastamento da incidência do ICMS sobre o licenciamento e a cessão de direito de uso de software.

Do outro lado, a ministra Cármen Lúcia defende que programas de computador só deixam de ser mercadorias quando há a contratação de serviços para desenvolvê-los, por exemplo, em trabalhos específicos de personalização de softwares. Assim, deveria incindir o ICMS em detrimento do ISS. Concorda com ela o ministro Edson Fachin.

Por fim, Gilmar Mender votou pela separação dos impostos. Para ele, deve incindir o ISS caso haja personalização do programa, e ICMS em softwares padronizados e produzidos em escala industrial.

A votação deve ser retomada na próxima semana.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: