Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,76
    -0,52 (-0,85%)
     
  • OURO

    1.707,40
    -8,40 (-0,49%)
     
  • BTC-USD

    50.168,06
    +1.828,53 (+3,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.014,06
    +25,96 (+2,63%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.675,47
    +61,72 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    12.602,25
    -79,50 (-0,63%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7756
    -0,0031 (-0,05%)
     

STF derruba lei do Ceará que impedia bloqueio de internet em planos de dados

Wagner Wakka
·1 minuto de leitura

O Superior Tribunal Federal (STF) derrubou a lei 16.734/18 do Ceará, que proibia que operadoras de telefonia bloqueassem acesso à internet depois do fim da franquia de dados do pacote do usuário.

A ação foi levada para a entidade por conta de uma questão de inconstitucionalidade da lei. Atualmente, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) define que somente as operadoras podem decidir pela interrupção da disponibilidade de internet após o esgotamento da franquia.

Com isso, o questionamento seria se o Estado teria passado por cima da União na decisão e teria autonomia para decidir sobre a questão com a lei criada em 2018. O tema dividiu ministros.

Quatro deles votaram com o relator Marco Aurélio que defendeu que a acusação de inconstitucionalidade da lei era improcedente. Para ele, o Estado poderia ter autonomia para decidir pela aplicação da lei e impedir que as operadoras bloqueassem acesso à internet após o esgotamento do plano. Ele defendeu ainda que a lei 16.734/18 oferece um mecanismo de apoio ao contratante do serviço no artigo 2º do Código de Defesa do Consumidor.

Já outros sete ministros consideraram a lei inconstitucional. Para eles, cabe apenas à União decidir sob modificações de concessões de serviços de telecomunicações, além dos direitos de consumidores do setor. O voto foi liderado por Dias Toffoli que defendeu um tratamento uniforme no país sobre a questão, de modo que o estado do Ceará não pode se comportar de modo diferente do restante dos Estados.

Desta forma, com sete votos em favor da inconstitucionalidade, a lei deverá ser derrubada, com as operadoras podendo voltar a bloquear o acesso à internet de cearenses após o esgotamento da franquia contratada.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: