Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.513,62
    +1.085,64 (+0,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.558,32
    +387,54 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,32
    +0,24 (+0,33%)
     
  • OURO

    1.774,70
    -8,70 (-0,49%)
     
  • BTC-USD

    34.784,88
    +1.551,45 (+4,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    836,38
    +49,77 (+6,33%)
     
  • S&P500

    4.266,49
    +24,65 (+0,58%)
     
  • DOW JONES

    34.196,82
    +322,58 (+0,95%)
     
  • FTSE

    7.109,97
    +35,91 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    28.882,46
    +65,39 (+0,23%)
     
  • NIKKEI

    28.875,23
    +0,34 (+0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.358,25
    +95,25 (+0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,8622
    -0,0663 (-1,12%)
     

STF adia julgamento que pode alterar correção monetária do FGTS e restituir perdas

·3 minuto de leitura

RIO - Marcado para 13 de maio, o julgamento de uma ação que pode alterar a forma de correção do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e beneficiar trabalhadores foi retirado da pauta do Supremo Tribunal Federal (STF) pelo presidente da Corte, Luiz Fux. Ainda não há nova data para retorno do tema ao calendário de julgamentos.

A Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5090, que seria julgada, argumenta que a Taxa Referencial (TR), índice usado para a correção monetária do FGTS, sofreu defasagem em relação ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) e ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo Especial (IPCA-E), que medem a inflação. Por causa disso, trabalhadores tiveram perdas desde janeiro de 1999.

A ação, apresentada pelo Partido Solidariedade, pede que o STF defina que o crédito dos trabalhadores na conta do FGTS seja atualizado por “índice constitucionalmente idôneo”.

Em setembro de 2019, o ministro Luís Roberto Barroso deferiu uma medida cautelar determinando a suspensão de todos os processos em tramitação na Justiça que tratam da correção dos depósitos do Fundo de Garantia pela TR.

O magistrado explicou que o STF ainda apreciaria a matéria, e que a continuidade da tramitação desses processos poderia fazer com que o entendimento do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que manteve o índice, passasse a valer antes de o STF decidir a questão.

Com isso, há cerca de 200 mil processos (representando aproximadamente duas milhões de pessoas) parados em tribunais do país, aguardando o julgamento do STF para ter um desfecho.

Entenda a questão

Hoje, o FGTS é corrigido pela Taxa Referencial (TR), que está zerada desde setembro de 2017, mais juros de 3% ao ano. Assim, a correção não alcança a inflação, que bateu 6,10% no acumulado de março de 2020 a março deste ano, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Isso desvaloriza o dinheiro depositado no FGTS, que é uma poupança de quem está ou já esteve empregado com carteira assinada. O que será discutido pela Corte é essa defasagem.

Em caso de parecer favorável aos trabalhadores no julgamento da ação pelo STF , quem teve saldo em contas do FGTS em algum momento desde janeiro de 1999, mesmo que todo o dinheiro já tenha sido sacado, pode ser beneficiado.

Há expectativa de restituição de perdas devido à atualização dos valores do fundo de garantia abaixo do índice de inflação nos últimos 22 anos.

Resultado imprevisível

A decisão dos ministros, no entanto, é imprevisível, uma vez que mudanças no cenário terão grande impacto financeiro para a União. Se o governo for obrigado a repor as perdas de todas as pessoas que tiveram algum saldo de FGTS entre 1999 e 2021, a despesa estimada seria de R$ 538 bilhões (considerando a aplicação do INPC na correção monetária em vez da TR), de acordo com o presidente do Instituto Fundo de Garantia do Trabalhador (IFGT), Mario Avelino.

Se os trabalhadores saírem vitoriosos do julgamento, quando ele ocorrer, o mais provável é que sejam feitos ajustes, diz Avelino. O especialista acredita que possíveis alterações para a correção do Fundo de Garantia passem a valer apenas daqui para frente, deixando para trás as perdas do passado ou beneficiando somente quem já tem ação na Justiça.

Por isso, a recomendação para quem tem interesse na questão é ingressar em alguma ação coletiva ajuizada por sindicatos ou associações trabalhistas, para não perder a chance de obter a correção monetária retroativa, caso seja essa a decisão do STF.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos