Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,30
    +0,03 (+0,05%)
     
  • OURO

    1.867,20
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    43.098,25
    -2.514,94 (-5,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.195,01
    -2,91 (-0,24%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.194,09
    +166,52 (+0,59%)
     
  • NIKKEI

    27.824,83
    -259,67 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.311,50
    +8,00 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4103
    +0,0063 (+0,10%)
     

Steve Jobs se referiu ao Facebook como “Fecebook” em email interno

Eduardo Moncken
·2 minuto de leitura
Steve Jobs se referiu ao Facebook como “Fecebook” em email interno
Steve Jobs se referiu ao Facebook como “Fecebook” em email interno

Steve Jobs, fundador da Apple, sempre teve a imagem pública de um homem moderado. O processo envolvendo Apple e Epic Games, porém, pode revelar que mesmo ele se permitia um pouco de revolta ocasionalmente. Sem estar no meio do fogo cruzado, comunicações internas da companhia envolvendo o Facebook surgiram, revelando que Steve Jobs já fez um trocadilho perigoso ao chamar a rede social de “Fecebook”. É claro que pode ter sido apenas um erro de digitação, afinal o email foi escrito no próprio iPad.

Frase foi citada em um email interno

Os emails revelam o processo de aprovação do app do Facebook para o iPad, em 2011. O tablet da Maçã foi lançado em 2010, mas os ânimos acirrados entre as empresas postergou o lançamento na App Store em um ano. Um dos principais problemas nessa época era a negativa da Apple em relação a apps e jogos incorporados na rede social. A esse tempo, os jogos sociais da Zynga, como Farmville, eram uma verdadeira febre no FB.

No ápice das discussões internas para viabilizar o app do Facebook, Steve Jobs teria concordado ser o momento de aceitar uma das propostas de adaptação sugeridas, dizendo que “se eliminássemos a terceira proposta do “Fecebook” isto soaria crível”. Ele se referia a uma certa vitimização por parte da rede social.

O erro ortográfico digitado, porém, não tem passado despercebido: enquanto “A” e “E” ficam realmente próximos no teclado, a gafe cometida gerou um trocadilho muito notável aos americanos. “fece”, no idioma bretão, não quer dizer nada, mas “feces” quer dizer “fezes”. Foi o intuito de Steve Jobs? Não é possível descobrir, já que como citamos no começo do texto, o email foi redigido no iPad. Mas, de uma forma ou de outra, o ex-CEO da Apple poderia ter seus motivos para, aquela altura, estar irritado com o Facebook.

Uma relação de amor e ódio?

As comunicações internas foram utilizadas no processo Apple x Epic, no qual a empresa de Cupertino busca defender a todo custo que não tem práticas de monopólio com a App Store. O envolvimento do Facebook, aqui, foi apenas um argumento utilizado na batalha judicial.

Isto, porém, só revela o clima de pouca amistosidade entre Mark Zuckerberg e Tim Cook: a rede social já manifestou, através de seus executivos, diversas “preocupações” em relação a mudanças na privacidade do iOS, que só diminuem o potencial de rastreamento da plataforma. Mais recentemente o Facebook se indignou com o iOS 14.5, que passou a exigir que o usuário consinta para ter suas atividades rastreadas.

Via CNBC

Imagem: Waseef/Getty Images