Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.471,92
    +579,70 (+0,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.723,43
    -192,74 (-0,41%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,53
    -0,01 (-0,01%)
     
  • OURO

    1.772,60
    -15,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    23.072,71
    -132,24 (-0,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    533,20
    -2,02 (-0,38%)
     
  • S&P500

    4.145,19
    -6,75 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    32.803,47
    +76,65 (+0,23%)
     
  • FTSE

    7.439,74
    -8,32 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    20.201,94
    +27,90 (+0,14%)
     
  • NIKKEI

    28.175,87
    +243,67 (+0,87%)
     
  • NASDAQ

    13.216,50
    -110,50 (-0,83%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2666
    -0,0739 (-1,38%)
     

Stephen King, autor de O Iluminado e It, se posiciona contra fusão de editoras

Stephen King não acredita nas promessas de que ambas empresas continuarão competindo uma com a outra (Foto AP/Patrick Semansky)
Stephen King não acredita nas promessas de que ambas empresas continuarão competindo uma com a outra (Foto AP/Patrick Semansky)
  • Departamento de Justiça americano iniciou um processo para impedir a fusão editorial;

  • Para King, união das grandes editoras americanas representará uma catástrofe para autores iniciantes;

  • Stephen King não acredita nas promessas de que ambas empresas continuarão competindo uma com a outra.

Nos Estados Unidos, as editoras Penguin Random House e Simon & Schuster estão em processo de fusão. As duas gigantes do mercado editorial aguardam um julgamento, iniciado nesta segunda-feira, onde o Departamento de Justiça americano busca impedir a união das duas empresas, visto que as duas estão entre as cinco maiores editoras de livros do país.

O argumento da pasta é que a fusão diminuiria a competitividade do setor, e ocasionaria em valores menores pagos para os autores, que perdem suas opções para negociar seus livros. De acordo com o departamento, a medida atingiria especialmente autores que ganham US$ 250 mil ou mais.

O aclamado autor de livros de terror, Stephen King, foi chamado para se pronunciar no tribunal, onde argumentou a favor do Departamento de Justiça. Segundo ele, não há sentido em acreditar nas promessas que as companhias fizeram de que continuariam a competir por autores, oferecendo propostas contrárias, independentemente de interesses superiores.

"Você pode dizer que você vai ter um marido e uma esposa dando lances um contra o outro pela mesma casa. É meio ridículo", disse King no julgamento.

O autor, cujos livros se tornaram clássicos modernos e foram transformados em filmes, como "O Iluminado", "Christine" e "Carrie, a Estranha", também afirmou em seu depoimento que acredita que a fusão das duas empresas irá diminuir os valores pagos como adiantamento aos autores.

No tribunal, King conseguiu mudar o foco da discussão contábil para relatar sobre as dificuldades passadas por autores iniciantes, afirmando que as cinco maiores editoras do país dizimaram o mercado editorial americano, acabando com as editoras independentes, para manterem-se no topo, dificultando a publicação de autores iniciantes no processo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos