Mercado abrirá em 5 h 47 min
  • BOVESPA

    122.515,74
    +714,95 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.869,48
    +1,16 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,15
    -0,11 (-0,15%)
     
  • OURO

    1.812,60
    -9,60 (-0,53%)
     
  • BTC-USD

    38.409,09
    -1.939,69 (-4,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    931,77
    -29,13 (-3,03%)
     
  • S&P500

    4.387,16
    -8,10 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.838,16
    -97,31 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.081,72
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    26.182,18
    -53,62 (-0,20%)
     
  • NIKKEI

    27.641,83
    -139,19 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    14.982,25
    +29,50 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1192
    -0,0249 (-0,41%)
     

Startups de tecnologia espacial alcançam financiamento recorde

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Empreendedores espaciais bilionários como Jeff Bezos, Richard Branson e Elon Musk elevaram o perfil do público e a plausibilidade das viagens espaciais comerciais nos últimos anos. O hype ajudou a alimentar uma onda de financiamento em startups que constroem a infraestrutura para trazer a nova corrida espacial da ficção científica para a realidade.

A tecnologia relacionada ao espaço é um mercado de US$ 200 bilhões que abrange empresas que criam produtos e serviços para uso na Terra, em órbita ou para exploração espacial e missões de colonização. O investimento de capital de risco nessas empresas atingiu recorde de US$ 5,5 bilhões em 2020, de acordo com a empresa de pesquisa de mercado PitchBook. O setor está a caminho de superar essa marca, com US$ 3,6 bilhões arrecadados em 94 negócios nos primeiros seis meses deste ano.

Na semana passada, Branson completou um voo teste suborbital a bordo do VSS Unity da Virgin Galactic Holdings e Bezos faz sua própria jornada ao espaço na terça-feira, em um foguete feito por sua empresa Blue Origin. Golpe de marketing ou não, o aumento da atenção ao redor do setor ajudou a estimular a inovação e um aumento de capital para empresas que buscam estabelecer as bases para a infraestrutura espacial.

“A maré alta levanta todos os barcos”, disse Daniel Ceperley, cofundador e CEO da LeoLabs, empresa que fornece serviços de rastreamento por radar para objetos em órbita baixa da Terra.

A maior parte do capital tem sido historicamente canalizado para empresas focadas em tecnologia para uso na Terra, incluindo comunicações e imagens de satélite, monitoramento da Terra e análises geoespaciais. No entanto, as ambições crescentes de explorar além de nosso planeta natal estão alimentando o que se espera que seja uma vibrante “economia espaço-para-espaço”, escreveu o analista do Pitchbook, Ryan Vaswani, em relatório recente.

O novo interesse pode beneficiar empresas como a LeoLabs, que possui radares no Alasca, Texas, Nova Zelândia e Costa Rica que rastreiam objetos em órbita, de satélites a pequenos destroços, ajudando a prevenir colisões. A startup arrecadou US$ 65 milhões em financiamento em junho liderada pela Insight Partners e Velvet Sea Ventures.

Esses avanços são apenas o começo, de acordo com Vaswani, citando a possibilidade de estações espaciais comerciais, serviços de remoção de detritos espaciais e fabricação no espaço emergirem até 2035, conforme os custos de lançamento se tornem mais baratos.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos