Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.788,96
    +17,21 (+0,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Startups de educação inovam em escolas públicas e de periferias

·6 minuto de leitura
*ARQUIVO* Sorocaba, SP, Brasil, 04-09-2020: Escolas particulares do interior se dividem entre voltar ou não ao modelo presencial. Em Sorocaba, o colégio Uirapuru vai voltar com atividades apenas para a educação infantil e ensino fundamental 1. Eles fizeram modificações nos espaços para receber as crianças.  (foto Gabriel Cabral/Folhapress)
*ARQUIVO* Sorocaba, SP, Brasil, 04-09-2020: Escolas particulares do interior se dividem entre voltar ou não ao modelo presencial. Em Sorocaba, o colégio Uirapuru vai voltar com atividades apenas para a educação infantil e ensino fundamental 1. Eles fizeram modificações nos espaços para receber as crianças. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)

DUQUE DE CAXIAS, RJ (FOLHAPRESS) - Carlos Leonardo de Alcântara de Almeida, 47, é professor de matemática na Escola Municipal Doutor Augusto Glória e na Escola Estadual Professor Gabriel Arcanjo de Mendonça, ambas no município mineiro São João Nepomuceno. Em outubro de 2019, criou o Projeto de Robótica Educacional Sustentável (Pres), no qual instrui alunos a fazerem robôs com materiais recicláveis.

Técnico em eletromecânica e graduado em matemática, ele queria aprender mais sobre programação e, em 2020, decidiu se inscrever em um curso online da Br.ino, startup de educação que oferece aulas de robótica para professores de todas as áreas. Com o aprendizado, pôde expandir o projeto para uma nova tecnologia: o arduíno, placa que armazena e executa códigos feitos em computador.

O objetivo da iniciativa é fazer os estudantes produzirem protótipos que auxiliem no ensino de outras disciplinas. Ele cita dois robôs como exemplos: um feito par a simular os batimentos cardíacos e outro capaz de desenhar circunferências e círculos, mostrando a diferença entre eles.

"O aluno não monta só porque acha bonito. Tem uma parte de pesquisa. A gente trabalha muito a questão de reciclagem. E pensamos, também, em conteúdos que o professor possa trabalhar dentro da sala de aula", diz.

Antes da pandemia, Carlos oferecia as aulas para 16 alunos por dia, divididos em quatro turmas. Nos encontros remotos, ele afirma ter diminuído a participação, porque os estudantes sentem falta da interação e do trabalho em grupo.

Com o sucesso do programa, a Prefeitura de São João Nepomuceno decidiu expandi-lo para outras oito escolas da cidade e prometeu a aquisição de novos materiais.

A Br.ino, startup na qual Carlos fez o curso, tem como um dos fundadores Rafael Mascarenhas Dal Moro, 22, estudante do nono período de engenharia de computação na Universidade de Brasília. Em 2014, estava no ensino fundamental no Centro Educacional Leonardo da Vinci, escola privada no Distrito Federal, quando começou a se interessar por robótica.

Dal Moro recebeu ajuda de colegas de turma, que eram filhos de engenheiros, para que competisse na Olimpíada Brasileira de Robótica. Ele e os amigos decidiram, depois, treinar outros estudantes para participarem da Olímpiada.

O grupo percebeu que as atividades seriam descontinuadas quando fossem para a faculdade, porque não tinham outras pessoas para assumi-las. Então tiveram a ideia de criar uma empresa que ensinasse outras instituições de ensino.

"A startup surgiu para realizar esse projeto em horário integral. O objetivo era gerar lucro para que a gente continuasse tocando aquilo que enxergamos como um propósito para a gente", diz Dal Moro.

Até 2020, tinham parcerias com cinco escolas (uma pública e duas ONGs), mas elas foram suspensas desde o começo da pandemia. Todo o lucro da startup vem da prestação de serviços em colégios particulares e dos cursos de inovação corporativa e de capacitação de professores. A iniciativa para a escola pública era financiada por uma produtora de eventos e, nas ONGs, era um projeto social gratuito.

Outra startup voltada para a educação, a Árvore de Livros surgiu em 2014 com o intuito de democratizar a leitura entre estudantes do ensino básico.

Em sua plataforma, a startup do Rio de Janeiro oferece um serviço de streaming de livros em que reúne cerca de 30 mil títulos de mais de 60 editoras. As obras contemplam várias faixas etárias e gêneros e são oferecidas exclusivamente a instituições de ensino ou secretarias de educação.

Durante a pandemia, a startup viu o número de leitores passar de 240 mil para 1,1 milhão, distribuídos em mais de 3.000 escolas pelo país. No ano letivo de 2021, foi a primeira vez que a quantidade de usuários da rede pública foi maior do que a da privada -eles são em torno de 60% do total.

Na cidade de São José dos Campos, em São Paulo, a prefeitura firmou uma parceria com a Árvore de Livros. A escola Maria Antonieta Ferreira Payar, na comunidade Pinheirinho, tem 252 discentes e 19 professores cadastrados.

Indianara Inácio Guilherme, 38, professora do quinto ano no colégio, conta que usa a plataforma frequentemente nas aulas. "Eu leio e projeto o livro na lousa interativa para que as crianças possam acompanhar."

Os alunos também podem acessar a plataforma no laboratório de informática. Começam lendo a sugestão passada pela professora e depois têm a liberdade de escolher o que quiserem.

A escola já utiliza o streaming desde 2018, mas Indianara afirma que alguns estudantes têm dificuldade para ler em casa, devido à pouca possibilidade de uso do celular. Dos 35 alunos da turma, ela estima que 25% não possuam aparelho telefônico.

"Na nossa comunidade, as crianças não têm acesso ao computador, então aquelas que têm celular são as que mais leem. Porém, algumas famílias têm um único celular para todos os membros. Nesse caso, a gente deixa a criança mais tempo na plataforma quando está na escola para poder ler um pouco mais", diz.

Lucas Gabriel de Oliveira Reis, 10, leu 19 obras no aplicativo. Seu colega Nathan Gonçalves Dias, 9, já terminou o 54º livro no ano. Toda a leitura tem surtido efeito: eles afirmam ter melhorado na produção de textos.

Também em São Paulo, Miguel Claudino Prada Almeida, 10, usa um jogo para praticar educação financeira. O aplicativo em questão é o Tindin, no qual o usuário vive numa ilha virtual e precisa economizar e usar as moedas para alimentação, vestuário, lazer e outras atividades.

Aluno da Escola Municipal Claudia Maria Gaspar Queiroz do Prado, em Jacareí, Miguel diz que conseguiu entender conceitos financeiros que não eram fáceis para ele. "Era muito complicado, porque eu não sabia o que significava juros e um monte de outras coisas. E, no jogo, eu entendi."

Maria Aparecida Pereira de Oliveira, 57, professora de Miguel, diz que a plataforma ajuda a complementar o trabalho feito em sala de aula. Em cada etapa do jogo, eles leem um texto disponibilizado pela Tindin.

Na leitura, aprendem sobre vários assuntos, como a origem do dinheiro. "Isso para mim é ótimo, porque faz parte do currículo deles", afirma Maria Aparecida.

Embora todos da turma tenham permissão para usar a plataforma, a professora diz que alguns não tinham acesso a um celular para jogar.

Hoje, a Tindin atua em mais de 900 escolas, sendo 20 da rede municipal de Jacareí, fruto de uma parceria com a prefeitura da cidade. A empresa tem uma proposta de chegar a mais 30 mil alunos de redes públicas até 2022 de forma totalmente gratuita. "A gente nasceu com o propósito de ensinar educação financeira para toda criança, não só aquelas das classes A e B", diz Eduardo Schroeder, CEO da startup.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos