Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.053,90
    -3.845,54 (-7,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Startups de educação crescem 28% durante pandemia e recebem US$ 525,6 mi em 2021

·2 min de leitura

As edtechs estão em um bom momento no Brasil, principalmente por terem impulsionado soluções online durante a pandemia de covid. E os números recentes confirmam isso. Já falamos sobre como o setor impulsionou o mercado de microempreendedores. Agora trazemos os subnichos desse setor, segundo pesquisa da plataforma de inovação Distrito.

De acordo com o levantamento, o setor cresceu 28% durante a pandemia, indo de 434 em 2019 para 559 em dezembro do ano passado. As edtechs em atividade no país estão distribuídas em ensinos específicos (22,4%), novas formas de ensino (22,2%), plataformas para a educação (20%), ferramentas para instituições (17,5%), foco no estudante (11,1%), conteúdo educativo (4,1%) e financiamento do ensino (2,7%). Os dados são do final de 2020.

Em outra pesquisa da Distrito, com dados de janeiro a setembro deste ano, as edtechs foram responsáveis por arrecadar US$ 525,6 milhões em aportes. Com isso, segundo o Mobile Time, ficaram em quarto dentre os nichos de startups mais visadas, atrás das fintechs (quase US$ 3 bilhões), real estate (US$ 1 bilhão) e retailtechs (US$ 928,8 milhões).

De acordo com um mapeamento da Associação Brasileira de Startups (Abstartups), a região Sudeste é a que abriga mais edtechs (58,7%), seguida pelo Sul (20,7%), Nordeste (10,4%), Centro-Oeste (8%) e Norte (2,3%). Dentre os Estados, São Paulo lidera em quantidade com 37,5%. Depois vêm Rio de Janeiro (9,7%) e Minas Gerais (9,5%).

Imagem: Prostock-studio/envato
Imagem: Prostock-studio/envato

O Brasil tem atraído até empresas do exterior. É o caso da indiana BYJU’S FutureSchool, maior edtech do mundo e maior startup do país asiático. No Brasil, ela passou a atuar neste ano com aulas de programação para crianças e adolescentes dos 6 aos 15 anos. Ela já conta com mais de 4 mil alunos por aqui, além de cerca de 480 professoras e mais de 40 mil horas de aulas realizadas.

Já a a escola digital brasileira Awari, sediada em São Paulo, tem se destacado por seus cursos remotos e acompanhamento personalizado em segmentos de tecnologia como UX/UI design, product management, ciência de dados e outros. Desde sua fundação, em 2018, capacitou cerca de 700 alunos e conta com mais de 100 profissionais. Nos últimos meses, a companhia recebeu investimentos anjo que, somados, contabilizam R$ 2 milhões.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos