Mercado fechará em 3 h 32 min
  • BOVESPA

    100.735,53
    -28,07 (-0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.211,85
    -82,98 (-0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,33
    +1,76 (+1,61%)
     
  • OURO

    1.823,50
    -1,30 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    20.662,46
    -47,38 (-0,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    449,56
    -0,50 (-0,11%)
     
  • S&P500

    3.860,89
    -39,22 (-1,01%)
     
  • DOW JONES

    31.263,63
    -174,63 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.323,41
    +65,09 (+0,90%)
     
  • HANG SENG

    22.418,97
    +189,45 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    27.049,47
    +178,20 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    11.772,00
    -268,50 (-2,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5303
    -0,0138 (-0,25%)
     

Startups brasileiras reduzem operações e amargam demissões em massa

Apesar das constantes notícias de startups brasileiras ganhando aportes milionários nos últimos anos, começamos a ver sinais de que a fonte está secando. Segundo reportagem do Estadão, várias empresas de inovação desaceleraram suas operações e até realizaram demissões em massa no último ano e meio.

A notícia mais recente neste sentido ocorreu nesta semana: a Kavak, mexicana do setor de carros usados avaliada em US$ 8,1 bilhões (R$ 41 bilhões) em 2021, dispensou funcionários brasileiros desde março — a Exame fala em 150, e o Estadão, em 300. Procurada pelo jornal, a empresa não quis comentar o assunto.

Outros exemplos recentes foram:

  • QuintoAndar demitindo cerca de 160 funcionários em abril;

  • Loft demitiu 159 pessoas em abril após concluir a integração com a CrediHome;

  • Espanhola Cabify anunciou fim das operações no Brasil no ano passado;

  • Americana Uber Eats deixou de atuar no Brasil em janeiro deste ano;

  • Facily demitiu mais de 1.000 pessoas após superar valor de US$ 1 bilhão;

  • Bitso, mexicana do mercado de criptomoedas, demitiu 80 pessoas globalmente, inclusive no Brasil;

  • Domestika, americana de cursos online, demitiu 200 por todo o mundo, sendo 40 cortes no Brasil;

  • Favo, peruana de supermercado online, encerrou operações no Brasil no início de junho, dispensando no país 171 pessoas;

  • Olist demitiu aproximadamente 150 funcionários no final de maio;

  • Grupo 2TM, dono do Mercado Bitcoin, demitiu 90 dos cerca de 750 funcionários.

A reportagem justifica o momento ruim à crise macroeconômica global e aumento dos juros causados pela retomada pós-covid e pela guerra na Ucrânia. Esses fatores vêm preocupando investidores e afastando novos aportes em startups, empreendimentos arriscados por natureza.

Brasil tem cenário considerado desafiador para startups estrangeiras (Imagem: Reprodução/Austin Distel/Unsplash)
Brasil tem cenário considerado desafiador para startups estrangeiras (Imagem: Reprodução/Austin Distel/Unsplash)

Além disso, no caso do Brasil, o cenário é considerado desafiador para empresas de fora apostarem em expansões, devido à alta competição no ambiente de inovação e à necessidade de altos investimentos para conquistar território. Como exemplo disso, a UberEats e a espanhola Glovo, ambas do ramo de entregas, atribuem suas respectivas saídas do Brasil à concorrência pesada com a brasileira iFood e a colombiana Rappi.

Ainda assim, o Brasil ainda é visto como estratégico para a expansão de startups latinas, por razões como ser um local importante para conquistar mercado, testar soluções e atingir novos consumidores. “O fato de o Brasil ter nível baixo de produtividade e muita ineficiência significa que temos muito espaço para adotar tecnologia”, explicou ao Estadão Felipe Matos, presidente da Associação Brasileira de Startups (Abstartups).

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos