Mercado fechará em 3 h 9 min
  • BOVESPA

    110.910,42
    +2.017,10 (+1,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.741,08
    +962,21 (+2,30%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,28
    -1,06 (-2,34%)
     
  • OURO

    1.811,50
    +30,60 (+1,72%)
     
  • BTC-USD

    19.249,25
    -150,52 (-0,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    377,86
    -2,00 (-0,53%)
     
  • S&P500

    3.663,87
    +42,24 (+1,17%)
     
  • DOW JONES

    29.986,76
    +348,12 (+1,17%)
     
  • FTSE

    6.384,80
    +118,61 (+1,89%)
     
  • HANG SENG

    26.567,68
    +226,19 (+0,86%)
     
  • NIKKEI

    26.787,54
    +353,92 (+1,34%)
     
  • NASDAQ

    12.360,50
    +83,50 (+0,68%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3223
    -0,0389 (-0,61%)
     

Startups brasileiras desenvolvem sistema com IA que detecta febre a distância

Fidel Forato
·3 minuto de leitura

Saber se uma pessoa está com febre ou não é uma boa medida para identificar possíveis pacientes infectados pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2). Isso porque, além da tosse e da falta de ar, a alteração na temperatura (acima de 37,8°) é um dos principais sintomas da COVID-19. Pensando nisso, duas startups brasileiras desenvolveram o Fevver, equipamento com Inteligência Artificial (IA) que identifica pacientes com febre.

Hoje, indivíduos que chegam ao Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, já têm suas temperaturas medidas automaticamente, a distância, por esse sistema de visão computacional instalado em um totem na recepção do local.

Ferramenta com IA identifica pacientes com febre (Imagem: Reprodução/ Hoobox)
Ferramenta com IA identifica pacientes com febre (Imagem: Reprodução/ Hoobox)

Batizado em alusão à palavra febre, em inglês, o equipamento possui câmera termográfica e algoritmos de reconhecimento facial, que escaneiam o rosto de pessoas e mede suas respectivas temperaturas de maneira automatizada.

Ao detectar que um paciente esteja com febre, a tecnologia dotada com IA envia um alerta para a equipe de enfermagem do hospital, o que dá início a um rápido protocolo de triagem e isolamento, para evitar que essa pessoa transmita o vírus para outros pacientes no ambiente hospitalar.

Como funciona o Fevver?

Esse sistema foi desenvolvido por duas startups brasileiras, a Hoobox e a Radsquare, incubadas pelo próprio Hospital Albert Einstein. A Hoobox ainda é apoiada pelo Programa Fapesp Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (Pipe), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo.

A ferramenta desenvolvida mescla diferentes tecnologias, como a detecção de faces, desenvolvida pela Hoobox, na sua primeira etapa. Depois, para detectar a elevação da temperatura corporal, a tecnologia que já identificou o rosto de possíveis pacientes, extraí pontos dos cantos ao redor dos olhos com alta precisão e descarta ruídos fisiológicos, como o suor.

Através de uma tecnologia para detecção térmica de radiação de energia infravermelha (termografia), desenvolvida pela Radsquare, é medida a temperatura dos cantos dos olhos, onde estão localizados os canais lacrimais.

“Como são estruturas sem cobertura epidérmica [de pele], têm umidade relativamente estável e são vascularmente muito próximas do cérebro, onde é realizado o controle térmico corporal, os dutos lacrimais são os locais ideais para avaliar a temperatura corporal por termografia”, explica à Agência Fapesp, Felipe Brunetto Tancredi, CSO da Radsquare.

No caso da tecnologia detectar que um paciente esteja com febre, o sistema do Fevver tira uma foto e gera uma notificação para a equipe de enfermagem ou da recepção do hospital, que pode identificar facilmente o doente.

Uso ampliado do Fevver

“Essa tecnologia é extremamente útil para fazer triagem de forma muito rápida e direcionar pessoas que estão com febre e eventualmente com COVID-19 para um local adequado. Isso aumenta a segurança não só dos pacientes, mas dos funcionários do hospital”, afirma José Cláudio Cyrineu Terra, diretor de inovação do Hospital Albert Einstein.

Para além do hospital e de outros setores da rede privada, a ideia dos pesquisadores é que esse sistema possa ser utilizado em hospitais de campanha, que começaram a funcionar nos últimos dias em diferentes regiões do país, além do Sistema Único de Saúde (SUS).

Fonte: Canaltech