Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.620,40
    -27,59 (-0,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.633,22
    -165,16 (-0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,33
    +0,05 (+0,06%)
     
  • OURO

    1.764,70
    -3,60 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    61.372,54
    +1.530,14 (+2,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.434,05
    -17,58 (-1,21%)
     
  • S&P500

    4.486,46
    +15,09 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    35.258,61
    -36,15 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.203,83
    -30,20 (-0,42%)
     
  • HANG SENG

    25.409,75
    +78,75 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    29.025,46
    +474,56 (+1,66%)
     
  • NASDAQ

    15.290,25
    +155,75 (+1,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4041
    +0,0003 (+0,00%)
     

Startup de rede privada de câmeras dos bairros do Rio capta R$ 66 milhões

·2 minuto de leitura

A Gabriel, startup carioca de tecnologia aplicada à segurança, anunciou a captação de R$ 66 milhões em aporte liderado pela japonesa SoftBank. O foco do negócio é um sistema de câmeras inteligentes interconectadas e de baixo custo. Os empreendedores dizem que investirão o dinheiro em uma maior presença nos bairros do Rio de Janeiro onde já atua, além de expandir para outras capitais.

A companhia oferece um sistema de segurança por assinatura no qual edifícios, casas e estabelecimentos compartilham entre si as imagens de suas câmeras voltadas para o espaço público no entorno. Essas imagens vão para uma central de apoio da Gabriel, que se diz capaz de realizar investigações complexas e ativar a polícia em poucos minutos. O poder público não paga por essa vantagem; apenas os clientes, que se beneficiam ao fazer parte desta rede de segurança.

De acordo com o comunicado, o sistema de câmeras da startup já conta com cinco vezes mais imagens que a rede de câmeras públicas instaladas no Rio. No último mês a Gabriel participou de mais de uma investigação por dia nos bairros do Leblon e Ipanema, além de ter contribuído com a identificação e prisão de diversos criminosos. Por outro lado, isso abre espaço para uma discussão séria: estaria a tecnologia privada interferindo demais na segurança pública ou ajudando a elitizar a proteção policial?

Imagem: Reprodução/Pawel Czerwinski/Unsplash
Imagem: Reprodução/Pawel Czerwinski/Unsplash

Fundada em 2020 por Erick Coser, Otávio Miranda e Sérgio Andrade, a empresa diz se inspirar nas melhores práticas para reduzir a criminalidade de grandes cidades, como Londres, Nova Iorque e Pequim. O conceito que eles quiseram "importar" destas metrópoles é o de usar a tecnologia para trazer mais eficiência e transparência ao trabalho das polícias.

"A assimetria de informação é justamente o que nos faz ter incertezas sobre a proteção de nossas pessoas queridas e lares. Nos esforçamos para construir uma infraestrutura capaz de garantir que incerteza, impunidade e injustiça vão sair do nosso vocabulário", diz Erick Coser, CEO da Gabriel, na nota à imprensa.

Outros participantes da rodada de R$ 66 milhões foram os fundos Canary, Norte Ventures, Globo Ventures, Indie Capital, QMS Capital, MontLacer Investments, CamelFarm Ventures, Endeavor ScaleUp Ventures e a Wayra, braço de investimento em startups do grupo Telefônica-Vivo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos